Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




Afinal, para onde vão os plásticos desaparecidos no oceano?

Há uma diferença entre a quantidade de plásticos que vai parar ao oceano e a que fica lá a flutuar. Para explicar este mistério, uma equipa de cientistas traçou a viagem oceânica dos plásticos.

Há muitas vidas nas salinas de Aveiro

Já escrevia o poeta José Carlos Ary dos Santos… “Morro de Amor pelas águas da Ria/ Esta espuma de dor, eu não sabia/ sou moliceiro do teu lodo fecundo/ Sou a Ria de Aveiro, o Sal do mundo”. Também João Nunes da Silva, de 54 anos e fotógrafo de natureza, considera o mesmo. É um apaixonado pela vida de todas as espécies que se relacionam com o sal.

O fotógrafo é natural de Lisboa mas viu nas salinas de Aveiro um mundo para fotografar a biodiversidade, o local é Zona de Protecção Especial e Sítio de Importância Comunitária no âmbito da Rede Natura 2000.

CLIP JUNTA-SE À MAIOR INICIATIVA GLOBAL DE LIMPEZA DE PRAIAS

No âmbito do World Cleanup Day 2019, o CLIP- Oporto International School organiza, este sábado, dia 21 de Setembro, pelas 10h, na Praia Internacional, o Beach Cleanup Day, convidando todos os seus alunos e a comunidade a uma limpeza dos resíduos da praia portuense.

O World Cleanup Day é uma iniciativa global, por um planeta mais limpo, que em 2018 contou com mais de 18 milhões de pessoas, em 157 países, numa “onda verde” de 36 horas de limpeza, à volta do mundo.

AVEIRO

É com areia em vez de pedra que se tenta travar o mar na região

O litoral aveirense é dos mais afetados em Portugal pelo recuo da costa e, depois de décadas de obras de engenharia, tenta-se agora travar o mar com a transposição de areias.
Segundo a investigadora Cristina Bernardes, a areia proveniente do alargamento do Porto de Aveiro e de dragagens na embocadura tem sido colocada nas praias desde a Barra à Costa Nova, medida minimizadora já prevista quando foi feito o prolongamento dos molhes.

"Essa areia é depois mobilizada pelo vento e vai completar as dunas, mantendo o cordão dunar litoral. A barra e a Costa Nova são praias que têm beneficiado muito com essas recargas. Estão bem nutridas e o cordão dunar apresenta boa saúde", diz.
 

Sines assinala o Dia Nacional de Limpeza da Praia

O Dia Nacional de Limpeza de Praia (International Coastal Cleanup), a 21 de setembro, é assinalado pela Câmara Municipal de Sines, com a 2.ª acção de monitorização e limpeza do areal da praia da Costa do Norte, no Canto Mosqueiro.

A acção é apoiada pela Fundação Oceano Azul, pela Associação Portuguesa de Lixo Marinho, pela Associação Bandeira Azul, pelo GEOTA/Coastwatch, pela APS (Administração dos Portos de Sines e do Algarve) e pela Docapesca.

Uma prancha de beatas (e um filme) para surfar a onda da conservação ambiental

Taylor e Ben já construíram cinco pranchas com milhares de beatas apanhadas nas praias. Em cima delas, andam a entrevistar vários surfistas para um filme que deverão apresentar em 2020.

Organismos gelatinosos: estão a aparecer mais em Portugal e a culpa pode ser do clima

GelAvista é o nome do programa de “ciência cidadã” para monitorizar os organismos gelatinosos na costa portuguesa. Desde 2016, já recebeu mais de 3750 registos e 2019 foi, até agora, o ano em que houve o maior número de avistamentos.

ONU

Crise climática terá consequências dramáticas nos oceanos

Alterações climáticas provocadas pelas atividades humanas terão consequências dramáticas sobre os oceanos e a criosfera, que inclui os glaciares, as calotes polares e solos permanentemente congelados.

RIA DE AVEIRO

Desassoreamento avança para o Lago do Paraíso

Com o fim da época balnear, vai intensificar-se o desassoreamento da Ria de Aveiro, em várias frentes, a Norte e a Sul do Porto de Aveiro. No Lago do Paraíso, em Aveiro, está a ser preparado o espaço para a draga avançar. A operação de desassoreamento da Ria avançou para o Lago do Paraíso, em Aveiro, nas imediações na A25, entre Aveiro e a Gafanha da Nazaré, uma zona do lote Sul, a que também pertencem os trabalhos em curso no Canal de Ílhavo, no âmbito desta operação em desenvolvimento em vários pontos da laguna.

Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável é fruto do trabalho conjunto de governos e cidadãos de todo o mundo para criar um novo modelo global baseado na sustentabilidade. Inclui 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), entre os quais um dedicado à conservação dos oceanos (ODS 14).

Conselho de Ministros aprovou o PSOEM e as linhas estratégicas para as áreas marinhas protegidas

 Foi aprovado, na generalidade, o Plano de Situação de Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional (PSOEM) para as subdivisões Continente, Madeira e Plataforma Continental Estendida.

O PSOEM é o primeiro instrumento que procede ao ordenamento do espaço marítimo nacional, considerando o mar territorial, a zona económica exclusiva e a plataforma continental até ao seu limite exterior, dando, assim, um contributo importante para a coesão nacional. É reforçada a ligação do Continente aos arquipélagos da Madeira e dos Açores, consolidando a componente geopolítica do designado Triângulo Estratégico Português, como uma centralidade marítima na bacia do Atlântico.

Monitorização da Faixa Costeira de Portugal Continental

Conheça e utilize o Programa COSMO

O “Programa de Monitorização da Faixa Costeira de Portugal Continental - COSMO” consiste na recolha, processamento e análise de informação sobre a evolução das praias, dunas, fundos submarinos próximos e arribas ao longo da faixa costeira de Portugal Continental. O Programa COSMO foi concebido e desenvolvido pela Agência Portuguesa do Ambiente I.P., sendo cofinanciado pelo POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, no âmbito de Aviso-Convite POSEUR-09-2015-25 referente à “Proteção do Litoral - Ações Materiais e Ações que visam a produção de conhecimento, gestão da informação e monitorização”.

Reino Unido cria mapa de ruído subaquático

Em resposta às preocupações globais sobre o transporte marítimo que afecta a comunicação das espécies marinhas, o Reino Unido criou o primeiro mapa subaquático de ruído (dos navios). Para tal, os investigadores do Centro de Ciência do Meio Ambiente, Pesca e Aquicultura (Cefas) em Suffolk usaram dados captados a partir de microfones instalados no fundo do mar.

Os microfones, que gravaram três meses em cada local, ficaram instalados mais de 18 meses, segundo a BBC, foram colocados em “hotspots”, de modo a identificar os locais mais sujeitos a esta perturbação. Através dos quais se identificou que a causa mais comum de ruido subaquático são as hélices.

Bancos passarão a ter em conta emissões poluentes na hora de dar crédito às companhias marítimas

Pela primeira vez, os bancos passarão a incluir na equação de concessão de crédito às companhias marítimas os esforços destas com vista à redução das suas emissões poluentes. Na origem deste passo está a iniciativa internacional ‘Princípios de Poseidon’, que já reuniu o apoio de onze grandes referências bancárias internacionais. A iniciativa surge a menos de 6 meses da entrada em vigor da nova regulamentação ambiental da IMO.

Cavalos marinhos na Ria Formosa

Ao longo dos últimos anos, a pressão humana sobre este ecossistema tem sido brutal e o habitat essencial destes seres vivos, constituído maioritariamente por pradarias de ervas marinhas, está a desaparecer a um ritmo alucinante. A pesca ilegal através de arrasto de vara (destinada ao caboz, choco e linguado) e o fundeamento excessivo de embarcações agravam o cenário. Estudos recentes demonstraram que a poluição sonora tem igualmente efeitos prejudiciais sobre estas espécies.

Os minúsculos seres que sequestram algas

A água infiltrada na areia fina das praias começa a escorrer para o mar com a maré a vazar. Pequenos sulcos recortam os areais mais perto da linha de água. Neste ambiente, ocorre um dos casos mais estranhos de simbiose do mundo animal, um exemplo notável de engenharia biológica onde alguns animais marinhos tiram proveito da fotossíntese hospedando algas.

O livestream mais longo de sempre:

Os 450 anos da decomposição de uma garrafa de plástico

Uma garrafa de plástico leva, em média, 450 anos a decompor-se. Tendo por base este facto, a Associação Natureza Portugal (ANP), em associação com a World Wide Fund For Nature (WWF), resolveu avançar com o livestream mais longo da história, filmando o processo de decomposição de uma garrafa de plástico em tempo real.

O Plástico: fabricámo-lo, dependemos dele e afogamo-nos nele

Se o plástico tivesse sido inventado quando os peregrinos ingleses partiram do porto de Plymouth, em Inglaterra, rumo à América do Norte, e o navio Mayflower fosse abastecido com água engarrafada e refeições ligeiras embrulhadas em plástico, o plástico deitado fora ainda hoje existiria, quatro séculos mais tarde.

Azuis e verdes dos oceanos vão ser mais intensos por causa das alterações climáticas

As cores azuis e verdes serão mais intensas na superfície dos oceanos, indica um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla original), segundo o qual os satélites deverão detetar essas mudanças de tonalidade, alertando para transformações em larga escala nos ecossistemas marinhos.

Shipping superará alterações climáticas na disseminação de espécies marinhas invasivas

O transporte marítimo vai ultrapassar largamente as alterações climáticas como gerador de pragas não indígenas na biodiversidade marinha nas próximas décadas, concluiu um estudo de investigadores da Universidade de McGill, do Canadá, financiado pelo Natural Sciences and Engineering Research Council of Canada e recentemente publicado no jornal Nature Sustainability, refere o Safety4Sea.

Total: 499