Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




MIGUEL MARQUES

A ala azul da linha da frente

Embora discreta, existe uma forte "Ala Azul" que está na linha da frente do combate aos impactos sanitários, económicos e sociais da pandemia, utilizando o mar, os rios e os lagos para garantirem um presente e um futuro a Portugal.

POR PEDRO GALVEIA

Covid-19 e o transporte marítimo

O impacto desta pandemia no transporte marítimo atingiu, e continua a atingir, várias vertentes. O transporte de passageiros em navios de cruzeiro foi severamente afetado, levando alguns países a bloquearem por completo a acostagem destas cidades flutuantes, sendo registados casos realmente preocupantes por todo o mundo. Com o desenrolar das atividades a nível mundial, o congestionamento portuário pode surgir em vários pontos do globo, fruto da falta de trabalhadores, de serviços, ou de equipamentos. As cadeias de abastecimento, procuram a todo o custo novas formas de se erguerem e conseguirem funcionar, transportando os bens necessários à sobrevivência, mas também ao consumo.

POR CARLOS OLIVEIRA

Nos portos portugueses hoje

Pelos portos passa a grande maioria das mercadorias que circulam no planeta!
Como poderá fazer-se a sua movimentação, com todas as restrições que hoje se verificam na maior parte dos países?
O que seria da carga e descarga de mercadorias nos portos portugueses se hoje mantivessemos os mesmos procedimentos de há alguns anos atrás?

POR NABO MARTINS, PRESIDENTE DA APAT

Vai ser difícil voltarmos ao «anteontem»

A logística já de si é bastante complexa, nomeadamente quando envolve os vários modos de transporte. Estes por sua vez têm características próprias, nomeadamente nas suas regras, competências, características e até documentação utilizada.

Até há 2 meses podíamos talvez dizer que o transporte marítimo tinha pela frente vários desafios, entre os quais podíamos identificar a Sustentabilidade, o e-Commerce, a Mão de obra versus Tecnologia e a Digitalização, entre outros, ou seja estávamos basicamente a falar de uma revolução na área dos transportes, até porque estas áreas seriam concomitantemente extensíveis aos restantes modos de transporte. (...)

OPINIÃO | POR LUÍS SOUSA

Portos sólidos numa economia difícil

(...) Seguramente a pandemia Corona Vírus exigirá um fluxo de mercadorias mais específico, eventualmente mais enquadrado numa ótica de serviço público do que comercial, que face ao desenrolar do contexto que se deseja ser de maior controlo da situação, será feito já num panorama de gestão eficiente das cadeias logísticas, onde o transporte marítimo tem um papel muito importante a desempenhar. Assim a procura de serviços Portuários no domínio do fluxo de mercadorias, poderá não sofrer uma flutuação vertiginosa e inédita, passando com alguma naturalidade por uma recessão de todo gerível. (...)

POR FÁTIMA LOPES ALVES, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA APA, S.A.

10 ANOS DO RAMAL FERROVIÁRIO DO PORTO DE AVEIRO | Obra ímpar, um exemplo a seguir em novos projectos

Esta sexta-feira, 27 de Março de 2020, celebrámos efeméride de obra que concretizou anseios de antanho da comunidade portuária aveirense, dos aveirenses em geral, com reflexos assumidamente positivos no pulsar económico da Região e do País.

O sonho de décadas concretizou-se, nesse dia, graças ao empenho de muitos, numa mobilização ímpar e bem-sucedida de vontades, liderada, no que reporta à tutela, pela Eng. Ana Paula Vitorino, ao tempo Secretária de Estado dos Transportes, sendo Presidente do Porto de Aveiro o Eng. José Luís Cacho.

 

JOSÉ LUÍS CACHO:

As potencialidades do Porto de Sines

Em artigo de opinião intitulado ‘As potencialidades do Porto de Sines’, publicado no portal da ADFERSIT, José Luís Cacho, Presidente do Conselho de Administração da APS, elencou as armas estratégias do porto alentejano para fazer face aos novos desafios logísticos e competitivos do sector marítimo-portuário. Os investimentos alinham-se no horizonte e prometem catapultar o porto – que detém um peso de 11,5% na economia nacional – para o topo, reforçando ainda mais a sua liderança na movimentação de mercadorias.

FÁTIMA LOPES ALVES:

Uma oportunidade única para o Forte da Barra

O Programa REVIVE constitui, para este Conselho de Administração, desde o primeiro momento, uma iniciativa e oportunidade única para o Forte da Barra, para o município de Ílhavo, para a região mas também para o Porto de Aveiro, que pese embora não tenha por vocação o negócio turístico, tem a responsabilidade social e territorial de contribuir para prossecução dos objetivos de reabilitação e valorização do seu património edificado e não edificado, em equilíbrio com a atividade portuária.

POR JOSÉ MONTEIRO LIMÃO

Oportunidades e desafios do Porto de Sines

O Governo aposta em tornar o Porto de Sines como o maior porto de contentores da Península Ibérica. O desafio é captar 1,3 mil milhões de euros de investimento. Mas será o único desafio que o maior porto nacional tem no futuro?

Os portos não param! O país agradece

Os números falam por si e são representativos. Ilustram a forma como o setor marítimo-portuário contribui, não apenas para a economia portuguesa, mas também para a “normalidade” da vida de todos nós.

ARTIGO DE RUI D'OREY

177.800 portugueses desenvolvem o país através do mar

O empenho diário de cerca de 177.800 Portugueses, pertencentes às indústrias e serviços do mar, está a valer a pena. De acordo com o LEME – Barómetro PwC da Economia do Mar, pelo terceiro ano consecutivo a maioria das cerca de 40 variáveis da economia do mar de Portugal monitorizadas registaram um comportamento favorável.

OPINIÃO | Presidente da Comunidade Portuária de Sines

Sines e Los Angeles

À partida, uma comparação entre Sines e Los Angeles parece despropositada. Porém, uma visita recente veio revelar que as semelhanças são mais fortes, do que se imagina, não obstante a enorme diferença de escala. Mais do que Roterdão, frequentemente apontada como exemplo, Los Angeles (LA) é a melhor referência para o modelo de desenvolvimento de Sines.

Francisco Sarsfield Cabral

A UE e a China

O governo português tem insistido, e bem, na inclusão na “rota da seda” de um braço atlântico, envolvendo o Porto de Sines e as vantagens dele, desde que se concretizou o alargamento do canal do Panamá.

POR ADRIANO MOREIRA

O mar oceano

Que o governo português tenha conseguido que tão importante reunião se tenha realizado em Portugal, não apenas apoia o que poetas como Fernando Pessoa ou Sofia de Mello Breyner afirmaram quanto ao facto de o mar ter em grande parte definido Portugal, como reconhece a importância da intervenção portuguesa no início das Descobertas portuguesas que conduziram à globalização atual, mas também o esforço científico das nossas universidades, em que se destacam as já referidas, e as instituições de ensino da Marinha: é finalmente um serviço à reposição de uma situação económica e financeira deste pequeno território que já foi chamado "cais de embarque".

MIGUEL MARQUES (PwC):

Sal Novo – Estuário do Mondego (Figueira da Foz)

A cidade da Figueira da Foz percebeu muito bem que para além de tremendamente injusto, seria profundamente irracional esquecer toda uma cultura ligada a este extraordinário produto. A criação do núcleo museológico do sal é um sinal fantástico de como a antropologia, a sociologia e a museologia nos podem dar pistas importantes para o futuro. Preservando a memória e o legado do passado, os Figueirenses criaram uma nova dinâmica para as salinas do Estuário do Mondego, que envolve a museologia, a cultura, a sociologia da comunidade de Marnotos que ali se instalou e que tendia a desaparecer.

ANDREIA VENTURA

A cidade de Lisboa vista do Porto que a fez crescer

As condições naturais e geográficas propícias à actividade portuária fizeram com que se fixasse em Lisboa a capital do país. O engenho e o empreendedorismo fez com que o Porto de Lisboa seja hoje um dos maiores focos de produção de riqueza e emprego, com uma influência alargada à escala nacional A par do desenvolvimento de actividades turísticas. num País e numa cidade que está cada vez mais na moda, a área do Porto de Lisboa oferece espaço para movimentação de carga, uma actividade essencial para a economia e desenvolvimento da cidade e do País, funcionado como porta de entrada e de saída de mercadorias, ao serviço das indústrias da região e de todos aqueles que aqui vivem e são abastecidos através das mercadorias que entram e saem do Porto de Lisboa.

JOSÉ LUIS MOREIRA DA SILVA

A revolução tranquila nos portos portugueses

A maior parte dos portugueses não tem noção do que vem acontecendo nos portos portugueses nos últimos tempos nem tem qualquer ideia sobre a grande revolução anunciada para o seu futuro próximo, e é pena.
Os nossos portos têm sabido ser os pólos mais dinâmicos da economia portuguesa e os responsáveis pelo ‘boom’ das exportações nacionais, que tanto jeito fez para ultrapassarmos a crise económica e financeira.

NUNO ANTUNES

Direito, cartografia e ordenamento do espaço marítimo

(...) Gerido pela Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, tem a diferença de ser um geoportal que disponibiliza informação em sistema de informação geográfica (GIS). A informação cartografada é acedível online, de forma imediata, com dados de múltiplas fontes. Falamos de acesso público, transparente, atualizado e desmaterializado sobre o ordenamento do espaço marítimo. Com a vantagem de consolidar, num só instrumento, toda a informação até aqui constante de diversos mapas. Adeus “mapa-papel”. Bem-vinda tecnologia digital na cartografia online.

OPINIÃO | MÁRIO RAMIRES

Mar Salgado

Não é preciso citar Pessoa, embora nunca seja demais. Como nunca é demais olhar o mar, o mar português, que transforma a pequenez do seu território num país de enorme dimensão - se em 2020 a ONU reconhecer a extensão da plataforma atlântica nacional, Portugal levará as suas fronteiras marítimas a uma área 40 vezes superior à das suas fronteiras terrestres, estando entre os 10 maiores países do mundo, à frente, por exemplo, da Índia.

MILHAS NÁUTICAS | POR MIGUEL MARQUES

32 – 33

Coreia do Sul e China são os dois maiores produtores mundiais de novos navios. Em 2016 todas as obras de construção naval completadas por estaleiros navais da Coreia do Sul, representaram 33% do total de obras completadas em todo o mundo. Em quantidade, a China, com 32% da produção global, produziu praticamente o mesmo que a Coreia do Sul.

Esta corrida pelo primeiro lugar da Construção Naval entre a China e a Coreia do Sul está ao rubro, na medida em que, em 2015, a China representou 35% da produção mundial e a Coreia do Sul 31%. Se juntarmos a estes dois países o Japão, que produziu 20% da produção global, em 2016, constatamos que três países asiáticos representam 85% da produção global de Construção Naval.

Total: 152
[1] 2 3 4 5 6 7 8