Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

24 DE MAIO DE 1819

O Savannah é o primeiro navio a vapor a atravessar o Atlântico

A 24 de Maio de 1819 o Savannah iniciava a primeira travessia do Atlântico por um navio a vapor. O barco à vela equipado com motor levou quatro semanas para concluir a viagem entre Savana, na Geórgia, e Liverpool.

Na segunda metade do século 19, tornou-se cada vez mais clara a supremacia do navio a vapor sobre as caravelas. Em 1807, Robert Fulton, dos Estados Unidos, conseguira uma façanha. Seu barco de rodas Clermont foi equipado com um motor a vapor inventado por James Watt. A nova engenhoca mostrou-se rentável e passou a ser empregada na navegação fluvial e costeira.

O pioneiro na travessia de longas distâncias foi o Savannah, que em 1819 levou quase um mês de um lado a outro do Oceano Atlântico, entre os Estados Unidos e a Inglaterra. Sua máquina, no entanto, esteve em funcionamento apenas durante 85 horas. No resto do tempo, a propulsão foi através das velas.

Depois de uma pausa de quase 20 anos, em 1838 logo dois navios ingleses a vapor completaram a travessia em Nova York. O Sirius chegou primeiro e, seis horas mais tarde, atracou o Great Western. Era a confirmação do início da era do navio a vapor, que marcou a independência da navegação dos ventos.

Transporte de correspondência

Na Inglaterra começaram a ser criadas as primeiras companhias marítimas para viagens aos continentes distantes da Europa. A travessia regular dos oceanos foi iniciada pelos chamados navios postais a vapor. Era um negócio lucrativo para as companhias marítimas, que recebiam subvenção estatal para o transporte de correspondência.

Mesmo nessa época, as velas ainda eram imprescindíveis, pois os motores a vapor não estavam tão desenvolvidos a ponto de garantirem a travessia de um oceano. Com o passar do tempo e o aperfeiçoamento da máquina é que as velas começaram a desaparecer dos transatlânticos.

FOTO DE TOPO: Robert Fulton

LEIA TAMBÉM: Ocean Streamers - The Outlook

 

FONTE: DEUTSCHE WELLE







Artigos relacionados:

  • Construído ao abrigo do programa «Átomos pela Paz»
  • Savannah, o primeiro navio mercante atómico do mundo, entra no rio Tejo
  • Do navio à vela ao navio a vapor