Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

EMEPC faz parceria cultural com CCB

A Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC) e o Centro Cultural de Belém (CCB/Fábrica das Artes) anunciaram recentemente uma parceria para o desenvolvimento de uma programação cultural relacionada com o tema do mar, denominada No fundo Portugal é Mar, calendarizada para 2018 (entre 8 de Março e 22 de Julho).

Como se refere no site do CCB, “esta programação é um convite ao mar, lançado aos públicos e todas as infâncias que queiram mergulhar nestas propostas artísticas, mas também científicas e ambientais”, um convite “por onde se gere entusiasmo e curiosidade, cultura marítima de agora e do futuro, e um novo empenho activo e emotivo sobre o mar maior que irá ser”.

Segundo ali se lê, “esta programação gira em torno da exposição No Fundo Portugal é Mar”, na qual, com base em imagens captadas pelo ROV Luso (que desce a 6 mil metros de profundidade) e cedidas por aquela instituição, “deslocamo-nos entre a revelação dos fundos marinhos, as paisagens sonoras onde terra e mar, através dos faróis, experimentam a sua comunicação e o imenso paradoxo do lixo plástico que o mar nos devolve”.

Os sentidos da exposição desdobram-se em seis oficinas exploratórias, “que passam pela escrita criativa, pelo confronto com monstros imaginários e reais, pelas formas líquidas das esculturas marinhas, pela simetria abissal entre o mar e o cosmos até ao confronto fascinante e fatal com a imensidão dos plásticos que lançamos nos oceanos e que tomam agora conta dele e do nosso próprio corpo, condenando-nos a todos ao destino do esqueleto da baleia Balaena Plasticus, integrada no projeto Plasticus Maritimus”, refere o CCB.

Segundo o CCB, “no Jardim das Oliveiras decorrerão três concertos, sessões com contadores de histórias e longas conversas marinhas entre tão improváveis interlocutores quanto variada é a fauna humana que entre nós vive o mar”.

A programação inclui também dois espectáculos: Marinho, que “experimenta tudo aquilo que em nós vive e evita, procura e foge na relação com o mar, explorando as ambiguidades através dos caminhos onde elas se vivem, nos nossos sentidos, na voz e na escuta, na luz e na sombra”, refere o CCB, e A Menina do Mar, “de Sophia de Mello Breyner Andresen, que, a partir da música de Bernardo Sassetti, lembra-nos que a beleza e o amor, a terra e o mar vivem na cidade dos homens, na sua história, nas forças políticas que se afrontam, e que o futuro é uma escolha que está para ser feita, tal como um rumo, um horizonte, uma nave largada no mar”.

fonte