Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Devoluções de peixe são um problema em toda a Europa

Cerca de metade do peixe capturado por pescadores no Mar do Norte é desnecessariamente lançada de volta ao mar, morto. E não se trata apenas do Mar do Norte. As devoluções são um problema em toda a Europa.

Existem diversos motivos para as devoluções. Um motivo evitável é o uso da quota de espécie única numa pescaria mista. O regime de quotas destina-se a proteger as populações de peixes, estabelecendo limites de quantos peixes de uma determinada espécie devem ser pescados. No entanto, numa pescaria mista, onde coabitam muitos peixes diferentes, os pescadores não conseguem controlar que espécies capturam. Pescar uma espécie frequentemente significa capturar outra, e se aos pescadores não é permitido desembarcar o que capturam, a única opção é lançá-los ao mar. A grande maioria destes peixes devolvidos morre. Acreditamos que não existe qualquer benefício para a conservação nessa devolução.

Como as devoluções não são monitorizadas, é difícil saber exactamente quanto peixe está a ser deitado fora. A UE estima que, no Mar do Norte, as devoluções estão entre os 40% e os 60% das capturas totais. Muitos destes são bacalhau, arinca, solha e outras espécies alimentares populares de óptima qualidade que estão “acima da quota”. Como aos pescadores não é permitido desembargar qualquer peixe acima da quota, no caso de o capturarem acidentalmente - o que não podem evitar fazer - não existe escolha senão lançá-los ao mar antes de chegarem ao cais.

Muitos outros peixes são deitados fora simplesmente porque se tratam de espécies que estão fora da moda: podemos ajudar a evitar a sua devolução apenas redescobrindo o nosso gosto por eles.
AS SOLUÇÕES

Precisamos de diversificar os nossos hábitos de alimentação de peixe, e precisamos alterar a política para que funcione para o peixe, os pescadores e os consumidores.

A Política Comum das Pescas (PCP), que é o enquadramento político para o regime de quotas, está presentemente a ser reformada para 2012. Os cientistas e grupos ambientalistas sugeriram diversas formas para que a política possa funcionar para a protecção das populações de peixes. Alguns pormenores sobre estas sugestões podem ser encontrados na nossa página de soluções do Reino Unido.

Reformular a Política Comum das Pescas é uma tarefa extremamente complicada, e infelizmente não existe uma solução fácil para terminar com as devoluções. Muitas pessoas concordam que a resposta estará na combinação de diferentes ideias e políticas.

fonte

















Artigos relacionados:

  • Pescadores devolvem ao mar até 60% do peixe capturado