Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Pescadores devolvem ao mar até 60% do peixe capturado

Em Portugal, a espécie mais atingida é o badejo (35% das capturas), estimando-se que em 2010 tenham sido devolvidas ao mar 32 toneladas, refere um documento da Comissão Europeia agora publicado. Os pescadores devolvem ao mar entre 10% a 60% do peixe capturado. O problema é que a maior parte desse peixe morre e acaba por não ser útil para niguém.
O alerta é dado num documento agora divulgado pela Comissão Europeia, onde se dá conta de que as devoluções de pescado ao mar é prática corrente.

Os pescadores devolvem o peixe ao mar por várias razões. Desde logo, "peixe que não deveriam pescar porque a sua quota de pesca não o permite", pode ler-se no documento. "Quando já ultrapassou a sua quota para uma determinada espécie, o pescador já não pode vender o peixe adicional. Ao decidir continuar a pescar as restantes espécies, normalmente deita fora aquelas cuja quota já ultrapassou".

Captura dos "juvenis" impede peixe de se tornar adulto

Mas os pescadores também deitam foram o peixe que é demasiado pequeno e que não apresenta os tamanhos regulamentares - "os chamados juvenis, que deveriam ser deixados intactos para poderem crescer e tornar-se adultos", sublinha o documento da Comissão.
Outra das razões porque se fazem devoluções de peixe ao mar é porque os pescadores não querem peixe de baixo valor que ocupe espaço a bordo, ou porque não querem que esse mesmo peixe conte para as suas quotas.

O problema é comum a toda a Europa e a Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO), estima que só no Atlântico Nordeste (Mar do Norte e Mar Báltico) as devoluções ascendem a 1,3 milhões de toneladas, sendo que a maior parte é atribuída a pescarias efetuadas por países da União Europeia.

No caso concreto de Portugal, a espécie que mais é devolvida ao mar é o badejo (35% das capturas), estimando-se que em 2010 tenham sido devolvidas ao mar 32 toneladas.

Europa que alargar a malhagem das redes de pesca

Nas suas propostas para a reforma da Política Comum das Pescas, a Comissão quer obrigar os pescadores a trazerem para terra todas as capturas. Por outro lado, a Comissão vai obrigar os pescadores a tomar medidas para reduzir as capturas indesejadas, aumentando, por exemplo, a malhagem das redes.
Medidas técnicas adicionais, como o encerramento temporário de certas zonas, "podem melhorar o estado de conservação, por exemplo quando um pescador entra numa zona com grande concentração de juvenis ou peixe abaixo dos tamanhos regulamentares, que não deve capturar", conclui o documento da Comissão.

fonte

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB