Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PONTO DE INTERROGAÇÃO

O que é a ictiofauna profunda?

A ictiofauna pelágica profunda, referida coletivamente como ictiofauna de meia-água, subdivide-se em mesopelágica e batipelágica, apresenta espécimens de pequeno porte (Gartner et al., 1997) e geralmente diferencia-se, ao nível de família, tanto da ictiofauna epipelágica como da ictiofauna demersal profunda (Gordon, 2001).

Enquanto as famílias Myctophidae, Sternoptychidae, Gonostomatidae, Chauliodontidae e a subordem Stomiatoidei, principalmente, caracterizam a zona mesopelágica, na zona batipelágica são típicos os Ceratioidei e as famílias Barbourisidae e Saccopharyngidae. A ictiofauna de meia-água inclui também representantes bentopelágicos, que passam parte de seu ciclo de vida próximo ao fundo, e ainda espécies pseudoceânicas, que são espécies mesopelágicas que mantêm íntima associação com feições submersas, como ilhas ou os limites externos da plataforma continental (Hulley & Lutjeharms, 1989).

Entre os peixes demersais encontram-se aqueles que vivem sobre o leito oceânico (bentônicos) e os que vivem logo acima do fundo (bentopelágicos), podendo distanciar-se até algumas dezenas de metros. Os peixes bentônicos apresentam flutuabilidade negativa (Chimaeridae, Rajidae, Bothidae, Chlorophthalmidae), em contraste aos os peixes bentopelágicos, dotados de mecanismos de flutuação que os permitem mover-se na coluna d´água, ainda que mantenham associação com o fundo (Squalidae, Macrouridae, Alepocephalidae) (Marshall & Merrett, 1977; Gordon, 2001).

A distinção entre estes dois grupos foi reforçada por diferenças comportamentais relacionadas à alimentação (o contraste entre peixes que esperam passivamente ou procuram lentamente o alimento no fundo, e aqueles que se deslocam na coluna d’água em busca do alimento), e também metabólicas. Peixes bentônicos apresentam menor taxa metabólica quando comparado aos bentopelágicos (Smith & Brown, 1983; Childress & Somero, 1990).

fonte

















Artigos relacionados:

  • O que são peixes demersais?
  • O que é a superfície de Benioff?
  • Polvos de orelhas, o que são?
  • Atlântico porquê?
  • O que é o Baixo Vouga Lagunar?
  • LMPAVE
  • Conhece os nudibrânquios?
  • O que é a espuma do mar e como se forma?
  • Pepinos do mar - um legume ou um animal?
  • O que é um TEU?
  • O que é o Fundo Europeu das Pescas?
  • O que é a Carta dos Sedimentos Superficiais da Plataforma Continental Portuguesa?
  • O que é a águia-pesqueira?
  • Sabe o que é uma gabarra?
  • Quanto plástico é ingerido pelos peixes?
  • O que é o zooplâncton Estuarino?
  • Porque é que a água do mar é mais salgada em alguns dias do que noutros?