Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

ESCLARECIMENTO DA MARINHA

Competência legal para a fiscalização da pesca

O jornal “Diário de Notícias” publicou, nas suas edições de 14, 15 e 16 de novembro, três artigos que tratam da legitimidade da Marinha nas ações de fiscalização da pesca no mar territorial, importando clarificar a legalidade das ações de fiscalização conduzidas pelos navios da Marinha.

Em primeiro lugar, e de modo a evitar confusão de conceitos, importa salientar a distinção jurídica da soberania de um estado em território nacional e a sua soberania no mar territorial, ressalvando que nos termos do Art.º 2.º da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, assinada a 10 de Dezembro de 1982, “a soberania sobre o mar territorial é exercida de conformidade com a presente Convenção e as demais normas de direito internacional”, resultando assim um enquadramento jurídico da soberania do Estado no mar territorial, por vezes, distinto do enquadramento deste conceito em território nacional. O estabelecimento de paralelismos de ação do estado nesses dois espaços de soberania nacional, juridicamente distintos, deve ser evitado.

Após a ressalva apresentada, a competência da Marinha para ações de fiscalização da pesca no mar territorial, resulta do direito interno, conferindo a base legal necessária para a execução este tipo de atividade, designadamente:

- A denominada Lei do Mar (Lei n.º 34/2006, de 28 de julho) que, no respetivo artigo 14.º atribui competência à Marinha para o exercício da autoridade do Estado nas zonas marítimas sob soberania ou jurisdição e no alto mar, nos termos que forem definidos em legislação própria. Ora, tratando-se da fiscalização de uma embarcação que se dedica à atividade da pesca, importa referir os diplomas específicos que tratam da matéria:

- O Decreto-Lei nº 79/2001, de 5 de março (que institui e regulamenta o SIFICAP), que refere que a Marinha é competente para o exercício das ações de vigilância, fiscalização e controlo das atividades da pesca (conjugação dos n.ºs 1 e 2 do art.º 2.º);

- O Decreto-Lei n.º 278/87, de 7 de julho, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 383/98, de 27 de novembro, que relativamente à fiscalização das atividades de captura, desembarque, cultura e comercialização das espécies marinhas, determina a sua coordenação a nível nacional pela Inspeção-Geral das Pescas e Aquicultura (atual Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos), e a sua execução aos órgãos e serviços do Ministério da Defesa Nacional (onde se inclui a Marinha), no âmbito das atribuições e competências que lhes estejam legalmente conferidas relativamente à inspeção, vigilância e controlo (n.º 1 do art.º 15.º);

- Sem ambições de exaustividade, não se pode deixar de referir a legitimidade que advém para este tipo de ação da própria lei orgânica da Marinha, aprovada pelo Decreto-Lei n.º 233/2009, de 15 de setembro (nomeadamente a alínea a) do n.º 3 do art.º 2º e a alínea a) do n.º 2 do art.º 17.º). E é através do n.º1 do art. 43º conjugado com o 42º que este diploma remete para o Decreto regulamentar n.º 40/94, de 1 de setembro;

- E na verdade, quando a alínea f) do n.º 2 do Art.º 11º do Decreto regulamentar n.º 40/94, de 1 de setembro, refere que aos comandantes das unidades navais compete “Assegurar a execução das atividades que visam o exercício da fiscalização das águas de jurisdição nacional e a instrução de autos de notícia relativos às infrações detetadas” aí encontramos o fundamento da legitimidade dos comandantes das unidades navais no âmbito da fiscalização da pesca;

- Refere-se ainda, e porque na fiscalização da pesca estão em causa, no essencial, ilícitos contraordenacionais, o Decreto-Lei n.º 45/2002, de 2 de março, do qual resulta que sempre que sejam detetados ilícitos contra-ordenacionais por unidades navais da Marinha em áreas sob jurisdição marítima nacional, compete ao comandante do navio levantar o auto de notícia e tomar todas as medidas consideradas adequadas à salvaguarda de todos os meios de prova admissíveis em direito (n.º 3 do art.º 10º). Assim, naturalmente, a única forma de se garantir que a lei está a ser cumprida é através da efetiva fiscalização das embarcações, para verificação da legalidade da atividade que exercem;

- A Marinha tem ainda conhecimento que no âmbito da formação de inspectores de pescas comunitários o regulamento europeu 1224/2009 aplica-se diretamente ao Estado Português. Este Regulamento prevê a obrigação do Estado Português em formar Inspetores Comunitários, tendo sido já formados Inspetores da DGRM. Neste momento, está em curso a avaliação da conveniência, que o Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território considera haver, e da adequabilidade para a formação e certificação de outros Inspetores, nomeadamente da Marinha.

- Cumulativamente, e no âmbito da jurisprudência, a Marinha conhece decisões judiciais recentes, que não só referem como reforçam a legitimidade das unidades navais da Marinha em matéria de fiscalização das pescas.

1. Deste modo, a Marinha tem vindo a exercer a sua competência com o intuito de assegurar o cumprimento da lei no mar, contribuindo para a preservação dos recursos marinhos que são a limitada fonte da atividade piscatória.

2. Hoje, como sempre, a Marinha tem para com o país diversos compromissos permanentes, de salientar a proteção dos interesses nacionais, a contribuição no desenvolvimento económico cientifico e cultural, a segurança marítima, a salvaguarda da vida humana no mar e também a proteção dos recursos, assumindo-os com sentido de missão e com orgulho, não só nos resultados e nas elevadas taxas de sucesso que apresenta, mas também nas cordiais relações que mantém com todos os homens e mulheres que fazem do mar a sua vida, nunca se constituindo como uma força coerciva e impeditiva de qualquer atividade industrial, económica, cientifica, desportiva ou de lazer, mas sim como um parceiro solidário, cooperativo e indispensável para todos aqueles, que tal como nós, usam o mar em prol do País.