Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

30 DE OUTUBRO DE 2012

Dois antigos navios da Marinha afundados ao largo de Portimão

Dois dos quatro navios da Marinha de Guerra Portuguesa que integram o parque subaquático para mergulho no Algarve, Ocean Revival, foram afundados esta terça-feira ao largo de Portimão, operação que os promotores consideraram como "um êxito".
"Os navios ficaram na posição que estava programada, ou seja, direitos e a cerca de 30 metros de profundidade", sublinhou Luís Sá Couto, promotor do projeto Ocean Revival.

Os dois navios que durante cerca de 40 anos serviram a Armada Portuguesa ficaram hoje "sepultados" no mar a três milhas a sudoeste de Portimão (uma milha náutica equivale a 1.852 metros) e a cerca de 1,5 milhas da praia de Alvor, em Portimão, no parque subaquático, cujo investimento está estimado em cerca de três milhões de euros.

ÀS 11:38, quatro explosões controladas por técnicos canadianos especializados neste tipo de operações e acompanhadas pela Marinha Portuguesa, provocaram rombos no casco da corveta Oliveira e Carmo, provocando o seu afundamento em pouco mais de dois minutos.
Mergulhadores da Marinha confirmaram alguns minutos depois a estabilidade e a posição do navio, e o sucesso da operação.
O afundamento do navio-patrulha Zambeze foi também provocado por quatro explosões (duas na popa e duas na proa) e verificou-se às 16:04, demorando cerca de dois minutos e meio para ficar assente no fundo do oceano.

De acordo com o promotor do projeto Ocean Revival, Luís Sá Couto, a operação "foi um êxito, porque decorreu tudo como estava previsto, com os navios assentes direitos no fundo do mar".
A operação de afundamento dos dois navios foi coordenada pela Marinha Portuguesa que estabeleceu um perímetro de segurança de meia milha náutica (cerca de 900 metros), ficando o local sinalizado para a navegação com boias amarelas.
O afundamento dos navios foi acompanhado por vários militares da Armada, entre os quais o último comandante da corveta Oliveira e Carmo.

Para Gomes de Sousa, o afundamento "origina é um misto de alegria e tristeza: afundado a sua história fica preservada, já que a alternativa seria o desmantelamento".
Por seu turno, o representante do Chefe do Estado da Armada, o contra-almirante Nunes Teixeira considerou "uma iniciativa importante, porque mantém viva parte da história da Marinha Portuguesa".

"São navios que marcaram uma época e que podem ser apreciados, numa iniciativa inédita em Portugal", destacou aquele responsável.
Os dois navios foram afundados depois de lhes terem sido removidos os materiais com substâncias consideradas contaminantes e nocivas para o meio ambiente, nomeadamente óleos, amianto, ficando apenas o casco e alguns matérias que não representam perigos de contaminação para o meio marinho.

De acordo com o promotor, o parque subaquático representa um investimento de cerca de três milhões de euros.
Os trabalhos de descontaminação dos quatro navios custaram cerca de 2,4 milhões de euros, verba que foi angariada pela empresa junto de grupos privados.

"O capital é inteiramente privado, mas ainda não está todo garantido. Espero que através de donativos e outras iniciativas possa concretizar o restante para a concretização do projeto", observou Luís Sá Couto.
Aquele responsável prevê que os outros dois navios "cheguem a Portimão ainda este ano, para que se inicie a preparação para o afundamento, previsto para março de 2013".
Luis Sá Couto acredita que o parque Ocean Revival vai dinamizar e explorar o turismo de mergulho, servindo como uma mais-valia para o Algarve.
 

















Artigos relacionados:

  • Antigos navios de guerra afundados ao largo de Portimão vão servir de museu subaquático
  • Projecto «Ocean Revival»
  • Empresa de Viana do Castelo quer afundar avião para atrair mergulhadores
  • Avião submerso no mar Negro para virar atracção turística
  • Afundamento da Corveta «Oliveira e Carmo» passa para 1 de novembro
  • Mergulhar para ver um avião
  • Navios para fazer recife no Alvor cedidos a custo zero pela Marinha
  • Ambientalistas criticam recife artificial e dizem que projecto devia ter tido discussão pública
  • Oliveira e Carmo quase a ir ao fundo
  • Corveta «Oliveira e Carmo» já chegou ao Porto de Portimão
  • Descontaminação dos navios para afundar em Portimão custa 2,4 milhões de euros
  • Primeiros dois navios preparados para afundar em três a quatro meses
  • Recife artificial único no mundo
  • Corveta «Oliveira e Carmo» deixou Lisboa pela última vez
  • Quatro navios da Marinha Portuguesa afundados ao largo de Portimão
  • Naufrágio provocado do «Victory 8B», em 2003, no Brasil
  • Naufrágio provocado do «Victory 8B»
  • Guarapari, a cidade que ganha com os naufrágios
  • Austrália afunda navio para formar recife artificial