Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

TERMINA ESTE DOMINGO, NA GULBENKIAN

O mar segundo Turner, Klee, Ingrés, Courbet, Monet, Friedrich

A fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa reúne mestres da pintura para mostrar a relação entre o Homem e o mar. A mostra abere hoje ao público.

É um dos grandes acontecimentos culturais do ano. Chama-se "As Idades do Mar" e está patente, até 27 de janeiro, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. São ao todo 109 quadros dos séculos XVI ao XX, provenientes de 51 instituições nacionais e estrangeiras, entre elas os museus do Prado e d"Orsay, para uma mostra que atravessa o romantismo de Turner, o expressionismo alemão de Caspar David Friedrich, o impressionismo de Monet , o realismo de Edward Hopper ou Courbet, a pop art de Nikas Skapinakis.

Partindo dos temas fundadores e recorrentes da representação do mar na pintura ocidental, a exibição está organizada em seis secções distintas: A Idade dos Mitos; A Idade do Poder; A Idade do Trabalho; A Idade das Tormentas; A Idade Efémera; A Idade Infinita.

De entre os autores portugueses presentes destaca-se a versão da histórica trágico-marítima pintada por Helena Vieira da Silva, que é sobretudo um olhar angustiado e angustiante sobre o Portugal Salazarista. Destaca-se ainda Amadeu Sousa-Cardoso com A Chalupa: um abismo de azuis onde se perde a vaga evocação de um barco. João Vaz, André Reinoso ou Nikas Skapinakis.

Em torno da exposição realizam-se ainda conferências sobre iconografia do mar na azulejaria, na tapeçaria e na pintura. Deuses no mar e na arte: Do Rapto de Europa à Libertação de Andrómeda, no dia 5; Da linha do horizonte à paisagem. Evolução da tapeçaria nas coleções espanholas, dia 12; A paisagem marítima no século XIX, dia 16. A mostra é visitável todos os dias da semana, entre as 10 e as 18 horas.

fonte

















Artigos relacionados:

  • Anastasiya e o mar
  • A artista que não esqueceu o mar nas suas obras
  • Nazaré, de Paulo Ferreira
  • Golfinhos voltaram ao Tejo, agora desenhados nos pilares da ponte 25 de Abril
  • Peixeiras de Ílhavo (século XIX), de Zé Penicheiro
  • Pinturas Murais na Marina da Horta - Arte,Tradição ou Superstição?
  • Painéis picantes e outros nem tanto
  • «Oriente-Ocidente»
  • Câmara promove Curso de Pinturas Tradicionais em Embarcações