Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

SÉRGIO SILVA MONTEIRO:

Greves já passaram todos os limites

Sérgio Silva Monteiro, secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, tem algumas das pastas mais pesadas e polémicas deste Governo. Na semana após a introdução de um desconto nas ex-SCUT, continua a renegociar as PPP, a trabalhar nas privatizações e a lidar com paralisações nos portos e nos transportes públicos.

Teme estar no papel dos ex-governantes, num tempo futuro?

Não temo coisa nenhuma, estou preparado para o escrutínio e para no futuro responder pelos actos que tomei enquanto secretário de Estado. Durmo tranquilo. Nenhuma decisão que tomei, em consciência, lesou o erário público.

As empresas de transportes públicos continuam a ser as mais endividadas do Estado…

Os factores que o Governo pode controlar, que são os custos com a prestação do serviço, foram corrigidos e, em Junho, atingimos o equilíbrio operacional médio dessas empresas. Num ano, conseguimos poupar 200 milhões de euros.

O processo de reestruturação já está concluído, nomeadamente a redução de trabalhadores?

Não. Já saíram cerca de 2.200 pessoas, ou seja, perto de 14% da força de trabalho, e em paz. E vão sair aquelas que as administrações considerarem necessárias, mas sempre por acordo. Mas a reestruturação não se esgota aqui.

O Governo está a preparar o Orçamento do Estado para 2013 com uma forte redução na despesa de cada ministério. Como consegue responder a esse desafio e ter dinheiro para as reestruturações?

Em função da expectativa de recuperação do investimento feito na saída dos trabalhadores. E vamos continuar a fazê-lo numa lógica de paz e acordo, apesar das greves que nos fustigam sem fim.

No último ano, têm sido recorrentes nas empresas que tutela...

Sim, aproveito, aliás, para desabafar com muita tristeza que não consigo compreender, por mais que os sindicatos me tentem explicar – porque é tão irracional –, como é que alguém pode achar que a sucessão de greves vai proteger mais os seus direitos do que trabalhar para que as empresas sejam viáveis. Todos os dias perdemos clientes potenciais na Carris, no Metro, etc, com o facto de haver greves sucessivas no sector.







Artigos relacionados:

  • As exportações e a greve dos portos
  • Greve já causou prejuízos de 425 milhões de euros no Porto de Lisboa
  • Greve nos portos torna exportações mais caras
  • Sindicatos garantem que greves não ficarão por aqui
  • Governo deve accionar «instrumentos legais» para garantir funcionamento dos portos
  • Transportadores rodoviários de contentores reafirmam preocupação com situação nos portos
  • Agricultura ainda não sentiu efeitos da paralisação nos portos
  • Greves portuárias causam prejuízos de 425 milhões só em Lisboa
  • Acordo para a revisão do regime do trabalho portuário
  • Câmara de Portimão apela à intervenção do ministro da Economia para o fim da greve no sector portuário
  • Portuários europeus atentos à lei portuguesa
  • Paralisação nos portos está a provocar acumulação de toneladas de mercadorias nos armazéns nacionais
  • Presidente do órgão regulador defende nova legislação laboral do sector portuário
  • Trabalhadores portuários mantêm funções específicas