Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

ALGARVE

Frota de pesca perde 88 barcos

A frota de pesca do Algarve perdeu 88 embarcações nos últimos cinco anos, segundo apurou o CM, com base em dados da Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM). A quantidade de pescado também sofreu uma forte quebra.

De acordo com as estatísticas sobre os recursos da pesca, o Algarve dispunha de 1696 embarcações com motor, em 2007, enquanto no final do ano passado já só existiam 1608. Apesar dessa redução, a região continua a ser, a nível nacional, a que tem mais número de barcos da pesca.

No que diz respeito às capturas, os pescadores algarvios desembarcaram mais de 27 mil toneladas de pescado em 2007, o que representou 17% do total do País. No ano passado, a quantidade ficou-se pelas 21,9 mil toneladas – 13% do total nacional. O preço médio por quilo de peixe aumentou ligeiramente, passando de 2,28 euros para 2,36.

“Temos notado que há menos peixe”, explica Hélder Rita, presidente da associação Quarpesca, de Quarteira, adiantando que o caso mais grave é do polvo, cujas capturas “caíram 70%”. A quantidade de sardinha tem sofrido reduções, até porque foram estabelecidos limites às capturas. O dirigente associativo acrescenta, por outro lado, que “não tem havido temporais no mar, que são importantes para revirar os fundos, limpar as águas e trazer mais peixe para próximo da costa”.

Hélder Rita defende mesmo que é necessário abater mais barcos no Algarve, embora “não de forma indiscriminada”.

fonte