Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

SAIBA COMO IDENTIFICÁ-LOS NAS PRAIAS PORTUGUESAS

Perigo mortal: cuidado com os agueiros!

Todos os anos, a causa maioritária dos salvamentos tem sido devido a este fenómeno, o que revela o seu perigo e risco.

Os agueiros são zonas/correntes de mar muito perigosas para o banhista. A água encontra sempre o seu equilíbrio próprio, isto é, após várias ondas rebentarem na praia, a água regressa ao mar pelo local que causa menos resistência. Isto é a corrente de agueiro também conhecida como “Rip Current”.

Resumidamente, a água retoma para o mar como se tratasse de um “canal” (corrente), geralmente “entalado” no meio de “cabeços de areia”, nem sempre visíveis, ou junto aos promontórios

A sua ocorrência pode resultar: - Da acção da rebentação das ondas sobre bancos (baixios) submersos de areia ou rocha paralelos à costa, localizando-se então os agueiros estacionários frente aos locais onde existem interrupções nos baixios (carreiros ou fundões);.

- Da acção de correntes paralelas à costa, desenvolvidas pela acção das ondas e do vento local ao encontrarem obstáculos naturais que podem ser visíveis (promontórios rochosos ou pontas de areia), ou invisíveis porque submersos ( bancos de rochas ou de areia ) bem como contra obstáculos artificiais ( espigões de protecção, instalações portuárias etc.)

A sua intensidade (velocidade da corrente), que pode atingir valores de 2 metros por segundo (mais rápido que um nadador olímpico) é variável:

- Fixos ou estacionários

- Periódicos (desenvolvem-se periodicamente, acompanhando o ritmo das marés)

- Súbitos (desenvolvem-se e extinguem-se repentinamente - mais raros- e associados a estados de mar alteroso e/ou com componentes de ondulação de diferentes direcções)

- Móveis (a sua localização vai variando ao longo do tempo, acompanhando normalmente o ritmo das marés).

Perigosidade

Este fenómeno, relativamente frequente, é responsável pela maioria das intervenções de salvamento desenvolvidas pelos nadadores salvadores. A velocidade da corrente que lhe está associada e o facto dessa corrente se dirigir para o largo induzem com facilidade o pânico mesmo nos bons nadadores, com consequências imprevisíveis.

Por outro lado, o facto de no local do agueiro ocorrer uma sensível diminuição da altura das ondas e da rebentação, constitui um poderoso atractivo para os utentes incautos nas praias não vigiadas.

Praticamente impossível de regressar para o areal por essa corrente, a solução é manter a calma, nadar paralelo à costa (nunca contra a corrente!) e, posteriormente, nadar para terra.

Porém, nunca hesite em pedir socorro caso sinta dificuldade. Estas correntes para além de perigosas são difíceis de reconhecer.

Para identificar um agueiro tente observar:

1. Cor da água, acastanhada devido ao arrastamento da areia no fundo;

2. Espuma na superfície da água, que se estende além da rebentação;

3. Deslocamento de materiais e destroços flutuantes;

4. Ondas maiores e mais frequentes dos dois lados;

5. Tremura numa zona da água, quando a água à volta está lisa.

O banhista deve tentar sempre verificar a existência de agueiros e as condições do mar em geral antes de entrar na água para sua própria segurança. Poderá e deverá sempre recorrer aos Nadadores-Salvadores para estes indicarem quais as melhores e seguras zonas para banhos.

Estas correntes para além de perigosas são muito difíceis de reconhecer, mesmo para os Nadadores-Salvadores.

Como Escapar a um "Agueiro/Rip Current":

- Os banhistas não deverão nadar contra a corrente, mas sair dela. Para tal, deverão nadar paralelamente à praia (para os lados), ou então deixarem-se levar pela corrente até esta ficar fraca, e depois nadar paralelamente à praia (para os lados).

Atitudes mais seguras a assumir quando apanhado num agueiro:

- É vital não entrar em pânico para manter as capacidades de pensar e agir e não desperdiçar energias.

Quando com pé

Alertar de imediato os companheiros próximos para regressarem a local mais seguro e procurarem ajuda. Tentar sair do agueiro caminhando, se possível em direcção à praia; caso não seja possível progredir nessa direcção face à força da corrente, tentar progredir lateralmente, paralelamente à praia, até uma zona de corrente menos intensa onde seja possível progredir em direcção a terra. Quando sem pé (ou com pé mas a força da corrente impede o equilíbrio e a progressão caminhando para terra)

Alertar de imediato os companheiros próximos para regressarem a local mais seguro e procurarem ajuda.

Nunca em caso algum tentar vencer frontalmente e nadando contra a corrente de um agueiro.

Isto só irá fazer com que se esgote prematura e inutilmente. Nadar calmamente paralelamente à praia (economizando esforços e não se preocupando por estar a ser arrastado para fora) até sair francamente do agueiro e depois dirigir-se a terra, eventualmente ajudando-se no regresso com o auxilio da rebentação.

No caso das suas capacidades físicas e/ou de natação serem reduzidas ou já estar esgotado procurar apenas controlar a respiração, manter-se a flutuar e assinalar periodicamente a sua posição acenando com os braços/peça de vestuário, para facilitar a sua localização pelos meios de salvamento.

Quando presenciando alguém em apuros a ser arrastado num agueiro, mantenha a calma e desenvolva ou faça desenvolver as seguintes acções pela ordem indicada:

- Alerte as pessoas próximas exposaos para o perigo e necessidade de se colocarem em segurança.

- Alerte ou faça alertar de imediato o nadador salvador ou o 112 e Capitania mais próxima, caso se trate respectivamente de praia vigiada ou não vigiada.

- Incite o acidentado a manter a calma, não tentar lutar contra a corrente e deixar-se arrastar e aguardar ajuda. - Se disponível lance ao acidentado qualquer auxiliar de flutuação.

- Execute, ou distribua a um companheiro a tarefa de manter o acidentado sob observação à medida que se afasta, eventualmente aproveitando qualquer ponto elevado próximo e meios de observação (binóculos), se disponíveis.

Apesar do dever universal de assistência e socorro, não desenvolva iniciativa individual de tentativa de salvamento sem ponderar se para tal dispõe das capacidades físicas, anímicas e conhecimentos mínimos face às condições prevalecentes. Caso decida desenvolver tentativa de salvamento, procure auxiliar-se com qualquer meio de flutuação apropriado, bem como com barbatanas e óculos /máscara/ tubo snorkel se disponíveis, quando familiarizado com o seu uso. Combine com o observador em terra sinais expeditos para este o auxiliar na progressão até ao náufrago.

Lembre-se sempre que a segurança no mar começa em si. Há mar e mar, há ir e voltar.

fonte







Artigos relacionados:

  • Informação em tempo real sobre 174 zonas balneares
  • SAPO Praias
  • «Quando sais da praia, leva o teu lixo contigo!»
  • As 36 melhores praias...
  • Bandeira Azul lança aplicação com praias galardoadas
  • Programa 7 Maravilhas Praias de Portugal
  • Praia Fluvial de Loriga entre as 21 finalistas das 7 Maravilhas Praias de Portugal
  • Descubra as 21 praias candidatas às 7 Maravilhas de Portugal
  • Votações abertas para encontrar as sete melhores praias
  • Salema entre as melhores praias secretas do Mundo
  • Quase metade do litoral mediterrânico encontra-se urbanizado
  • Chumbadas 31 das 327 praias candidatas
  • Acesso a três praias do Algarve pode vir a ser interditado
  • À procura das sete melhores praias de Portugal
  • 7 Maravilhas: Portugal vai eleger as melhores praias
  • Praias de Portugal são as próximas 7 Maravilhas a eleger
  • Apresentada proposta de criação de duas novas praias em Vagos
  • Elevação do mar pode varrer do mapa praias da Califórnia
  • Mais de 100 a mandar na costa
  • Na Nazaré, o barco do candil, a rede da neta...
  • Tróia, arroz e Portinho da Arrábida
  • PRAIA DE S. MARTINHO DO PORTO - A jóia em forma de concha perfeita
  • Monte Gordo e Manta Rota
  • Médicos recomendam praia de Sesimbra às crianças em 1939
  • Os sineenses estavam 9 meses à espera de 3
  • Praia da Apúlia
  • Praia de Moledo
  • Praia da Adraga
  • Ainda há praias desertas
  • Praia dos Tesos I
  • Praia dos Tesos II
  • Praia dos Tesos III This is The END
  • Um paraíso chamado Praia da Ursa
  • Bandar Al-Jissah é um oásis à beira-mar
  • Turistas estrangeiros associam imagem de Portugal às praias
  • No paraíso de Vasco da Gama
  • A vilegiatura marítima
  • A moda de ir à praia
  • Entre 2002 e 2010 morreram 177 crianças por afogamento
  • Mais de 150 praias com falésias em risco, a maioria no Algarve
  • Praia artificial proporciona Verão diferente em Mangualde
  • Descobertos os benefícios do Sol, estes «autorizam» mulheres mais descobertas
  • «Nazaré: Memórias de uma Praia de Banhos»
  • Em 1803 o Bispo de Coimbra já tinha por hábito ir a banhos à Ericeira
  • A moda de ir à praia começou como recomendação médica
  • D. João VI dentro de um barril com medo dos caranguejos
  • Costa alentejana tem menos 600 mil litros de lixo
  • Câmaras cortam 30% na manutenção e limpeza das praias
  • «Dr. Beach» lança ranking das 10 melhores praias de 2011
  • As 10 melhores praias da Europa
  • Marina de Lagos distinguida com 5 Estrelas pelo IMCI