Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS MARINHOS MUNDIAIS

Estudo propõe «solução facilmente implementável»

Grande parte dos recursos marinhos, tanto em países desenvolvidos como subdesenvolvidos, não é monitorizada por falta de dados, pessoas e fundos. Para solucionar esta problemática cada vez mais actual, Nuno Prista, aluno de Doutoramento em Biologia Marinha e Aquacultura da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, propõe uma “solução facilmente implementável” que resulta de uma investigação conjunta do Centro de Oceanografia da FCUL, do Center for Quantitive Fisheries Ecology da Old Dominium University (Virginia, EUA) e do Departamento de Matemática da mesma universidade.

O que o estudo «Use of SARIMA models to assess data-poor fisheries: a case study with a sciaenid fishery off Portugal», publicado na edição de Abril da revista «Fishery Bulletin», sugere é que “uma mudança de paradigma da ‘avaliação populacional’ para uma ‘monitorização das pescarias’ permitirá conferir um nível mínimo de monitorização a muitos destes recursos e, pelo menos, detectar alguns sinais de alarme que possam ser merecedores de estudo mais aprofundado”, explica Nuno Prista ao Ciência Hoje. Deste modo, os investigadores demonstraram como “uma metodologia estatística de análise de séries temporais pode ser utilizada para, de uma forma expedita, monitorizar estas pescarias com menos dados”.

continue a ler aqui