Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PESCAS

Menos multas por fuga à venda de pescado em lota entre 2010 e 2011

As contra-ordenações levantadas a embarcações por venda de pescado fora da lota diminuíram entre 2010 e 2011, revelou a GNR. A crise e o aumento das obrigações fiscais não têm agravado as fugas à lota, segundo o sector.
Dados disponibilizados à agência Lusa pelo comando-geral da GNR revelam que a Unidade de Controlo Costeiro, ex-brigada fiscal, levantou 195 contra-ordenações por fuga à lota em 2010. Em 2011, as infracções baixaram para 106.

Nos primeiros quatro meses de 2012, a GNR já levantou 93 contra-ordenações.
A Associação Nacional das Organizações de Produtores da Pesca do Cerco (ANOP Cerco), a mais representativa do setor, com 120 embarcações, considerou que, apesar da redução das contra-ordenações, não se registam menos fiscalizações.

O presidente da ANOP Cerco, Humberto Jorge, admitiu que "o mercado paralelo pode prejudicar o mercado legal nos portos mais pequenos", onde por norma existem mais situações de fuga à lota na venda do pescado. Os casos são insignificantes nos maiores portos portugueses.
Apesar da crise e do aumento das obrigações fiscais, a que o setor não é alheio, o dirigente afirmou que "as situações de fuga não se têm vindo a agravar".

Segundo a Unidade de Controlo Costeiro, as coimas vão desde os 500 euros e os cerca de 45 mil euros, dependendo se se trata de pescadores individuais ou sociedades de pesca.