Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

OCEANÁRIO DE LISBOA

O mistério da raia

A VISÃO foi assistir à ecografia de uma uge-de-manchas-azuis grávida de gémeos. Pouco se sabe sobre a reprodução desta espécie

A paciente não parecia preparada para mais uma ecografia. Estava agitada e deu luta ao ser colocada junto ao ecógrafo. Acalmada a futura mãe, tudo se encontrava a postos para nova observação ao desenvolvimento dos dois bebés. À primeira vista não haveria motivo para novidade, não fosse a mãe em causa uma raia uge-de-manchas-azuis do Oceanário de Lisboa, quase desconhecida para a ciência em termos de reprodução.

A Taeniura lymma é uma espécie tropical que habita as zonas costeiras do Indo-Pacífico e os recifes de coral, facilmente distinguível entre as outras pela sua cor: sobre um tom amarelo tem manchas de um azul quase iluminado, como um pirilampo. Mas não nos deixemos ludibriar pela sua beleza - sentindo-se ameaçada, esta raia faz-se valer da sua cauda com um ou dois espigões fortes e venenosos que podem provocar ferimentos fatais.

Leia o artigo completo na Revista VISÃO desta semana