Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Portugueses descobrem que pinguins estão a disputar camarão da Antárctida

No balanço da campanha de 2011-2012, com a participação de 20 cientistas de Portugal, revelou-se o que têm comido os pinguins e que o solo antárctico está a descongelar. As alterações do clima são o cenário de fundo.

Pela primeira vez, o que comem duas espécies de pinguins foi estudado no mesmo local e ao mesmo tempo na Antárctida, para ver se competem entre elas por alimentos. Este estudo, da equipa do biólogo José Xavier, na primeira campanha coordenada portuguesa à Antárctida, entre Novembro de 2011 e Abril de 2012, permitiu concluir que os pinguins-gentis e os pinguins-de-barbicha disputam o mesmo camarão da Antárctida, na ilha de Livingston.

Face à competição por comida, e às alterações climáticas, será que os pinguins conseguirão adaptar-se às mudanças ou acabarão por se extinguir? A Península Antárctica, onde fica a ilha de Livingston, é das regiões do planeta que mais têm aquecido. À semelhança do que tem ocorrido com a temperatura da atmosfera, que nos últimos 50 anos aumentou 2,5 graus Celsius em termos de média anual, as águas do oceano Antárctico também estão mais quentes.

Enquanto os pinguins-gentis vivem em águas um pouco mais quentes, e não parecem ter problemas de adaptação a esta subida de temperatura, os barbichas estão habituados a águas mais frias e os estudos noutras ilhas já mostraram que as suas populações estavam a diminuir. Se o oceano Antárctico continuar a aquecer, os gentis podem continuar a ir para sul, mas os barbichas já não terão onde se refugiar. "Os pinguins vão ou não ser capazes de se adaptar às alterações que estão a acontecer na Antárctida?", perguntou José Xavier na apresentação, esta semana em Lisboa, dos resultados preliminares de toda a campanha, que teve como coordenador-geral Gonçalo Vieira, do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa.

Nos dois meses passados na base búlgara na ilha de Livingston, José Xavier e o biólogo José Seco, ambos da Universidade de Coimbra, dirigiram-se regularmente às colónias de pinguins das duas espécies, que na altura estavam em época de reprodução, e andaram a apanhar os animais. Não só viram nas fezes os restos do que tinham acabado de comer, como recolheram sangue e penas, para descobrir, através da análise de certos isótopos nestas amostras, o que eles tinham ingerido na última semana e no último ano. "Temos mais de 600 amostras", disse José Xavier.

Além dos pinguins, a campanha incluiu mais seis projectos e envolveu cerca de 20 cientistas, que estudaram os contaminantes da Antárctida, o solo congelado, os bancos de neve durante o Verão, como é que os peixes estão a lidar com o aumento da temperatura, como foi o clima nos últimos milhares de anos e como é aí a cooperação científica e política.

A campanha permitiu que Portugal contribuísse, pela primeira vez, para o esforço logístico internacional na Antárctida, com o aluguer de um voo entre o Chile e a ilha do Rei Jorge, na península Antárctica (que transportou 73 cientistas e técnicos de seis países, a 26 de Janeiro). Em vez de os cientistas portugueses serem só convidados nas bases de outros países, o Programa Polar Português organizou a primeira campanha com logística própria, com 92 mil euros da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

continue a ler este artigo aqui







Artigos relacionados:

  • A «depravação sexual» dos pinguins ficou um século no armário
  • Cientistas contam milhares de pinguins a partir do espaço
  • Caranguejos Unidos... Jamais Serão Vencidos!
  • Dinamarca vai reivindicar o Pólo Norte