Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Notícias

PARA RECUPERAR GUINDASTE DOS ESTALEIROS DE VIANA

Multinacional alemã admite adiantar financiamento

A alemã Enercon já chegou a acordo para comparticipar os custos financeiros que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) terão para reparar um guindaste da empresa, mas admite aguardar ainda o planeamento da operação.

“Demonstrámos a disponibilidade para colaborar financeiramente na reparação, através de um adiantamento dos pagamentos futuros que teríamos de fazer aos estaleiros pela utilização do guindaste”, explicou nesta quarta-feira à agência Lusa Francisco Laranjeira, administrador da Enercon em Portugal.

O grupo alemão chegou a admitir reduzir o volume de exportações, actualmente em dois navios por semana, face aos alertas “inconsequentes” junto das sucessivas administrações dos ENVC, ao longo de três anos, para garantir a operacionalidade de um guindaste, cuja reparação deverá ascender a 200 mil euros.

A multinacional alemã ocupa desde 2005 terrenos subconcessionados pelos ENVC, nos quais instalou um dos dois pólos industriais que detém em Viana do Castelo para a produção de aerogeradores e outros componentes, mais de metade dos quais seguem já para exportação, por via marítima.

“Mas este acordo está dependente da apresentação do planeamento dos trabalhos já que só o poderemos utilizar quando estiver reparado e com certificado de segurança emitido”, sublinhou Francisco Laranjeira, recordando que no contrato de concessão, aquando da instalação da Enercon, existia a garantia de disponibilização, por parte dos ENVC, de um guindaste, mediante o pagamento por parte da Enercon da sua utilização.

Face à situação de inoperacionalidade do guindaste de 50 toneladas existente naquele local, e que deveria apoiar as cargas da Enercon – tendo em conta que os navios já atracam no cais partilhado pela empresa e pelos ENVC –, a multinacional alemã viu-se obrigada nos últimos meses, quando incrementou as exportações, a alugar “pesadas gruas móveis de longo alcance”.

“Apesar do investimento que as autoridades marítimas fizeram ao dragar um canal de navegação até ao cais, na semana passada tivemos que enviar um navio para o porto comercial, na outra margem, para carregar. Estava outro navio no cais e com os meios actuais não podíamos fazer essa carga e tivemos de enviar todo o material novamente, pelo meio da cidade, até ao porto”, explicou ainda.

Com esta situação, que implica custos acrescidos com o aluguer de meios de elevação e uma situação “longe de ser a ideal” em termos operacionais, a própria empresa vê a “competitividade das exportações”, a partir de Viana do Castelo, “afectada”.

Contactada pela Lusa, a administração dos ENVC admitiu que o guindaste em causa, uma contrapartida de uma outra empresa alemã (HDW) no âmbito do negócio de construção de dois submarinos para a Marinha, foi colocado na empresa “em condições de deficiente operação, incluindo a necessidade de novas peças”.

“A sua reabilitação exige investimento”, disse ainda a administração daquela empresa pública.

Em Viana do Castelo, entre os terrenos subconcessionados pelos ENVC e o Parque Empresarial de Lanheses, a Enercon funciona com cinco fábricas de componentes e geradores eólicos, e garantiu, no segundo semestre de 2011, quase 77 mil toneladas de exportações, através de 41 navios.

Só nos primeiros cinco meses de 2012, o movimento de navios com exportações da Enercon ronda já as quatro dezenas.

Exportações, sobretudo, de torres de betão, pás de rotor aerogeradores e módulos eléctricos, produzidas nas fábricas do grupo em Viana do Castelo. Entre os destinos estão países como Roménia e Alemanha, Suécia, Itália, além de França e Lituânia.

A administração da Enercon Portugal previa manter a cadência de sete navios por mês, dada a competitividade alcançada pelo facto daquelas fábricas poderem carregar diretamente por via marítima.

Para isso, foi concluída, já no início deste ano, a retirada de 45.000 metros cúbicos de inertes, através de um investimento de 270 mil euros, assegurando este nível de exportações a partir da margem direita do rio Lima e evitando as deslocações para a margem contrária, onde funciona o porto de mar, feitas por via terrestre.

fonte
 







Artigos relacionados:

  • Caderno de encargos concluído e avaliado em Conselho de Ministros este mês
  • Estaleiros de Viana vão continuar parados devido à reprogramação dos asfalteiros
  • Portugal procura apoio do governo brasileiro para investimento nos Estaleiros de Viana
  • Passivo agravado com perdas de 22,7 milhões de euros em 2011
  • Situação dos Estaleiros de Viana debatida no Parlamento
  • ENVC lança concursos para bens e serviços
  • Consórcio da Martifer com NavalRia constrói dois navios-hotel para a Douro Azul
  • Construção de asfalteiros para a Venezuela não está em causa
  • ENVC tenta encaixe com leilão de aço e quilómetros de cabos
  • Salários de Janeiro totalmente pagos até hoje
  • Presidente da EMPORDEF pediu ajuda a Mota Amaral
  • Grupo interessado nos Estaleiros de Viana apresenta plano até final do mês
  • Estaleiros Navais de Viana deverão conhecer futuro até final do mês
  • Venezuela renegoceia contrato de aquisição de dois navios asfalteiros
  • Estaleiros de Viana precisam de 57 milhões de euros já no início de 2012
  • Grupo italiano reforça lista de interessados nos ENVC
  • Privados poderão comprar entre 35% e 65% dos Estaleiros de Viana
  • Estaleiros de Viana sem liquidez para pagar totalidade dos ordenados
  • Venezuela perfila-se como potencial parceiro dos Estaleiros de Viana do Castelo
  • «Não há milagres» nos Estaleiros de Viana
  • Trabalhadores dos Estaleiros de Viana garantem que empresa pode construir ferries para os Açores
  • Atlânticoline admite avançar com pedido para penhora aos ENVC
  • Atlânticoline relançou concurso para a construção de dois ferrys
  • Russos interessados nos Estaleiros
  • Lula da Silva admite interesse nos estaleiros de Viana do Castelo
  • Decisão sobre futuro dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo adiada para Outubro
  • A Ver Navios - DOCUMENTÁRIO DA SIC SOBRE OS ENVC
  • Ferry «Atlântida» realizou provas de mar e já está em Lisboa
  • «O transporte em navio Ferry entre Açores, Madeira e continente é viável»
  • Lançada petição para linha por navio ferry entre Ponta Delgada-Açores, Madeira e Continente