Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Nadadores-salvadores com mais poderes e figura da «desobediência» são novidades neste Verão

Os nadadores-salvadores vão contar com poderes de vigilância «reforçados em terra» já nesta época balnear e será criada a figura da «desobediência» para os casos dos banhistas que se recusem a abandonar locais considerados de risco.

A garantia foi avançada pelo secretário de Estado do Ambiente e Ordenamento do Território, Pedro Afonso de Paulo (na foto), o qual assegurou que o novo diploma, já concluído, terá um «objectivo duplo», entre a dissuasão e a actuação.

«Por um lado [pretende-se] alertar as pessoas que correm perigo ao estarem em zonas interditas e, quando a pedagogia não funcionar, temos que nos socorrer de outros instrumentos. Mas o diploma não foi construído numa lógica de multar as pessoas, mas de as sensibilizar», explicou.

Segundo o governante, a primeira alteração consistirá no «reforço» de poderes de vigilância em terra dos nadadores-salvadores, sobretudo nas zonas de praia consideradas interditas à prática balnear.

«Vamos dar poder aos nadadores-salvadores para informarem as pessoas de que correm perigo e que devem sair. Em terra, tal como já o fazem no mar», acrescentou.

Nos casos em que os avisos «não surtirem efeito», os banhistas passarão a incorrer na figura de "desobediência".

«Aí haverá uma coima, quando, mesmo depois do aviso, a pessoa manifestar a vontade de permanecer no local. O nadador-salvador chama a autoridade marítima, porque considera que se estão a colocar em perigo, numa desobediência que poderá ser agravada se estiverem crianças na presença de adultos», advertiu.

Por outro lado, será criado ainda o título de "praia de uso limitado", ou seja, «com quase toda a sua área em zona de risco» e, por isso, com condições especiais «de sinalização e utilização».

Para essas zonas interditas, serão agravadas as coimas aos banhistas que não acatarem os avisos, apesar de o governante não adiantar ainda o valor das novas penalizações a aplicar, por o diploma estar em fase final de aprovação em conselho de ministros.

A atual legislação já previa a classificação e a identificação de zonas interditas nas praias que apresentem risco de derrocada de arribas, proibindo a permanência no local.

Contudo, o novo diploma pretende reforçar a penalização, mas também a «apelar à consciencialização» dos banhistas, resultando da revisão de vária legislação, antes dispersa, desde os planos de ordenamento da orla aos regimes sancionatórios em praias e demais zonas da orla costeira ou à sinalética e barreiras de proteção.

«Acabar com a dispersão de diplomas e promover uma maior consciencialização e responsabilização dos utentes das praias que apresentam potenciais riscos de erosão», são os principais objetivos da medida, garantiu Pedro Afonso de Paulo, à margem da inauguração da oitava edição do Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima.

fonte







Artigos relacionados:

  • Autoridades algarvias denunciam falta de armas legais para punir banhistas
  • Erosão costeira, assoreamentos e outras dores de cabeça