Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O novo brinquedo dos milionários: submarinos próprios

Uma nova classe de submarinos particulares é o novo meio de diversão dos super-ricos. Os submarinos permitem que estes novos aventureiros naveguem por entre maravilhosos recifes de corais, explorem carcaças de navios afundados ou mesmo se cruzem com golfinhos. O preço mínimo dos modelos mais baratos é de US$ 1,7 milhão, mas os valores podem chegar até a US$ 80 milhões.

Recentemente, Graham Hawkes chegou mesmo a localizar um grupo de tubarões martelo. Na ocasião, junto com ele no seu Super Falcon, estava um investidor chamado Tom Perkins, um cliente potencial. "Literalmente nós os seguimos embaixo", disse Hawkes. "Era como se estivéssemos voando num céu líquido."

Hawkes é engenheiro em Point Richmond, Califórnia e seu local de trabalho está na marina da cidade, que dá diretamente para a baía de San Francisco. Os visitantes não andam por ali com frequência, mas quando aparecem, geralmente chegam com as carteiras recheadas. Hawkes fabrica submarinos para milionários.

Sua empresa, a Hawkes Ocean Technologies, é uma de uma série de companhias especializadas em levar os super-ricos para passear. Para os interessados em comprar, o modelo "de entrada" é o Deepflight Super Falcon, a US$ 1,7 milhão. Já o Ocean Pearl, da fabricante americana SEAmagine, sai por US$ 2,5 milhões, mas tem a vantagem de até 900 metros de profundidade.

A Triton Submarines, sediada em Vero Beach, Florida, é outra companhia especializada em submarinos para os ricaços. "Nossos clientes são proprietários de iates que desejam oferecer aos amigos e à família algo especial", disse Bruce Jones, CEO da Triton. No fundo do mar, "eles podem mostrar aos amigos coisas que jamais viram antes".

Sem crise. A crise econômica não fez cessar a demanda por submarinos, segundo Jones. Cerca de 20 clientes potenciais chegaram à ilha Grand Bahama para testar os submarinos da Triton. Das docas em McLeans Town, uma lancha rápida os leva pelas águas turquesa para o Atlantis II, um navio de pesquisa aposentado que Jones utiliza como "nave-mãe" para sua frota de submarinos.

O CEO recebe seus convidados no deque, onde dois submersíveis estão à espera. Os volumosos flutuadores montados nos lados funcionam também como contêineres de água. As características da marca Triton, contudo, são as esferas de acrílico projetadas no topo e na base do submarino, o que garante uma vista panorâmica de 360 graus.

Uma grua coloca na água o Triton 3300/3 de três lugares, que pesa oito toneladas métricas. Os convidados embarcam pelo convés superior. O piloto Troy Engen aponta para duas válvulas localizadas atrás dos assentos de couro sintético cinzento e explica que podem elas ser usadas para "trazer rapidamente o submarino para a superfície, numa emergência". Então, o piloto deixa a água entrar nos flutuadores. Algumas ondas quebram contra o submarino, e então tudo fica calmo outra vez. Os únicos sons são o zumbido dos motores elétricos e o ronco do ar condicionado.

Engen empurra a pequena alavanca preta do painel de controle para a frente. "Rumo: 285 graus", informa ao barco acima. "Sistemas de apoio, OK". O Triton segue em frente zumbindo sobre um recife como numa cena tirada de um filme de James Bond.

Peixes coloridos brilham com os faróis dianteiros LED do submarino. Um tubarão desliza sob os pés dos passageiros - uma experiência surreal, pois a parede acrílica do cockpit, cerca de 16 centímetros de espessura, é invisível sob a água. "Emocionante, não?", provoca o piloto.

O Triton 3300/3 pode permanecer sob a água por cerca de 10 horas e custa em torno de US$ 3 milhões. A maioria dos clientes da empresa prefere ficar anônima. Jones recentemente vendeu dois submarinos para um empresário australiano que possui uma ilha particular em Belize.

A próxima ideia da Triton é levar turistas para o fundo do mar. Está construindo um resort submarino com suítes submersas (ao preço de US$ 15 mil por semana) em uma ilha particular no arquipélago Fiji. Cinco submarinos estarão à disposição diariamente para levar os hóspedes até os recifes artificiais. "Sou uma velha criança revivendo um sonho", diz o CEO. Quando menino, escrevia cartas para o lendário oceanógrafo francês Jacques-Yves Cousteau. "Infelizmente ele nunca respondeu."

Estilo. Os submarinos da Triton são máquinas grandes e pesadas, dificilmente utilizáveis sem uma nave-mãe, mas Graham Hawkes, na Califórnia, desenvolveu um conceito bem diferente. Seus navios são esportivos e esguios - parecem pequenos aviões com as asas truncadas.

"Estamos construindo os Learjets do fundo do mar", diz o inventor, que gosta de comparar seu trabalho com o dos pioneiros da aviação. Ele fala com floreios, e promete "um voo sobre carcaças de navios naufragados, rolando como os golfinhos e saltando como as baleias".

Um novo conceito de projeto torna esses navios leves possíveis. Ao contrário de outros submarinos, os modelos Deepflight não afundam com o próprio peso. Em vez disso, usam um princípio da física similar ao dos aviões: quando a água flui em torno das asas invertidas, o submarino é impulsionado para baixo.

Um dos Super Falcons está sendo montado na fábrica de Hawkes em Point Richmond. O topo do modelo lembra os cockpits de caças a jato. Da posição do comandante, Hawkes explica: uma alavanca de comando manobra o submarino, instrumentos indicam a pressão na cabine e a taxa de oxigênio no ar, um horizonte artificial e uma bússola fornecem orientação mesmo em águas turvas.

Há alguns meses, Hawkes viajou para o Golfo de Aqaba, convidado pelo rei Abdullah II, da Jordânia. Com pesquisadores a bordo, Hawkes viu quase toda a costa da Jordânia. "Navegamos ao longo de todo o contorno do recife de coral. Senti-me como um piloto explorador", disse.

Graham Hawkes e sua mulher Karen criaram uma "escola de navegação" para submarinos, para atrair novos clientes. Muitos deles são CEOs bilionários. O fundador da Virgin, Richard Branson, por exemplo, comprou recentemente de Hawkes um dos seus submarinos Merlin, que o bilionário agora arrenda a US$ 25 mil por semana.

Preço. Mas Hawkes tem planos para fabricar submarinos mais baratos para os menos ricos também. Espera baixar os preços das suas "Ferraris do oceano" para cerca de US$ 250 mil. Quando isso ocorrer, os super-ricos terão que buscar algo mais exclusivo, talvez o modelo Phoenix 1000, fabricando pela USS Submarines, que também faz parte do império Triton, de Bruce Jones.

Os passageiros do iate submersível de 65 metros podem viajar confortavelmente na superfície ou em águas profundas. Seus camarotes de luxo abrigam facilmente 20 interessados em conhecer os mistérios do fundo do mar. Tanto luxo, é claro tem um preço: O Phoenix 1000 custa aproximadamente US$ 80 milhões.

fonte


 

 

 







Artigos relacionados:

  • Corrida ao fundo dos oceanos
  • Corridas malucas
  • James Cameron chegou ao ponto mais profundo do oceano