Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PORQUE HÁ MAIS IMAGENS DE MARTE QUE DA FOSSA DAS MARIANAS?

Corridas malucas

Criados pela iniciativa privada, desafios como o que levou o cineasta James Cameron ao canto mais profundo do planeta, ajudam a evolução da pesquisa científica.

As profundezas do mar sempre fascinaram o cineasta canadense James Cameron. Em 1989, no filme “O Segredo do Abismo”, ele registou uma equipa atrás de um submarino nuclear a sete mil metros de profundidade. Na década seguinte, explorou o Titanic, navio que hoje repousa com 3,8 mil metros de água sobre si. Este ano, o realizador foi mais além. Mais exactamente ao ponto mais profundo do planeta, a Fossa das Marianas, uma “cicatriz” localizada 11 quilômetros abaixo da superfície do Oceano Pacífico. Desceu sozinho, num submarino que comportava pouca coisa além do cineasta, e fez imagens em 3D a ser usadas na sequên­cia de “Avatar”.

Não sendo uma tarefa fácil, obteve sucesso. Tanto que a última vez em que um veículo tripulado chegou ali foi em janeiro de 1960. Na ocasião, os americanos Jacques Piccard e Don Walsh passaram 20 minutos onde o cineasta ficou várias horas. Uma lista das condições explica esse hiato de mais de 50 anos entre uma expedição e outra. A pressão local é de oito toneladas por polegada quadrada. É como se dois elefantes se equilibrassem sobre um estojo de alianças de casamento. A temperatura beira a do congelamento e a escuridão é absoluta. Tudo isso ajuda a entender por que temos muito mais imagens da superfície de Marte do que da Fossa. A empreitada – que recebeu o nome de Deepsea Challenge (desafio do mar profundo, em inglês) – terá como recompensa as imagens para o filme e a entrada da façanha para a história da exploração científica, à frente do britânico Richard Branson, que em abril de 2011 anunciou a construção de um veículo para explorar a Fossa. Nesses casos, não há prêmio em dinheiro. Essa é uma das poucas diferenças entre essas iniciativas e várias outras em que empresas ou ONGs criam desafios com premiações.

LEIA TAMBÉM: FOSSA DAS MARIANAS - O local mais profundo de todos os oceanos

FONTE

 







Artigos relacionados:

  • James Cameron chegou ao ponto mais profundo do oceano
  • James Cameron diz que viu «paisagem lunar»