Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

NO MUSEU DE ARTE POPULAR

Nazaré, de Paulo Ferreira

"Nazaré, Ex-Voto do Mar Português", pintura mural de Paulo Ferreira no Museu de Arte Popular, 1948
José Pessoa, 2008 © IMC / MC
Número de Inventário: 36066 TC (Transparência a cores)

Uma das quatro composições alegóricas da Sala da Estremadura (onde figuram igualmente Lisboa, Ribatejo e Terra Saloia) que obviamente não podem emparedar-se, ocultar-se ou esconder-se para se iluminarem os ecrãs do itinerário multimédia, como alguém já pensou, ou admitiu por desatenção ou ignorância. Protegidas pela inclusão do edifício na ZEP dos Jerónimos as pinturas terão obviamente de ficar em exposição, até porque se tratam dos poucos exemplos sobreviventes das decorações murais dos segundos modernistas (Almada das Gares e do DN não é uma referência única).

Paulo Ferreira afirma-se principalmente como cenógrafo e figurinista da Companhia Portuguesa de Bailado Verde Gaio (1940-1950), criado e dinamizado por António Ferro, e também como pintor-decorador. Estas quatro pinturas murais (a fresco ou a têmpera?) são certamente as suas melhores obras, com uma óbvia eficácia ilustrativa e um sentido da alegoria bem sucedido, marcando um estilo folclorizante construído com dinamismo e "alegria". À distância do cinzentismo do regime e do gosto historicista de outras correntes anti-modernistas no interior do regime.

Julgo que nunca se soube olhar com rigor e honestidade intelectual para estas obras, o que não significa recuperar toda a obra e todo o personagem-autor.

ALEXANDRE POMAR


 







Artigos relacionados:

  • Golfinhos voltaram ao Tejo, agora desenhados nos pilares da ponte 25 de Abril
  • Peixeiras de Ílhavo (século XIX), de Zé Penicheiro
  • Pinturas Murais na Marina da Horta - Arte,Tradição ou Superstição?
  • Painéis picantes e outros nem tanto
  • «Oriente-Ocidente»
  • Câmara promove Curso de Pinturas Tradicionais em Embarcações