Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

NAVIO GIL EANNES

A «Misericórdia do Mar»

Chamaram-lhe, nos seus tempos áureos, a “Misericórdia do Mar”, em reconhecimento do seu contributo junto da frota bacalhoeira portuguesa que fazia a faina nos mares do Norte.

Foi projectado e construído nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo em 1955. É nesse ano que tem início a sua missão de assistência médica aos pescadores de toda a frota bacalhoeira portuguesa e de outros países, nos mares da Terra Nova e Gronelândia. No entanto, este navio não desempenhou unicamente a função de hospital; também foi navio-capitania, navio-correio, navio-rebocador e quebra-gelos, tendo garantido abastecimento de mantimentos, redes, material de pesca, combustível, água e isco aos barcos de pesca do bacalhau.

A partir de 1963 sofre alterações na sua missão e passa a fazer viagens de comércio como navio frigorífico e de passageiros entre as campanhas de pesca, efectuando a sua última viagem à Terra Nova em 1973, ano em que também fez uma viagem diplomática ao Brasil como embaixador de Portugal.

Após aquela data, o Gil deixa de "ser útil" e vai sendo empurrado, de cais em cais do porto de Lisboa, até ser vendido a um sucateiro para abate em 1977.

Perante este inglorioso destino do emblemático navio-hospital, a comunidade vianense é mobilizada para o trazer à terra onde nascera, resgatando-o à socata para ser exposto no porto de mar de Viana do Castelo em memória ao passado marítimo da cidade e tornando-se numa das suas atracções.

MAIS DETALHES







Artigos relacionados:

  • Autarquia de Viana do Castelo investe para evitar encerramento da Pousada da Juventude
  • Fundação Gil Eannes comemora o Dia Nacional do Mar
  • Navio Gil Eannes enriquece espólio
  • Escola Superior Náutica no navio Gil Eannes - Até 28 de Março
  • Gil Eannes - Navio-museu a merecer uma visita
  • «Assalto ao Santa Maria» no cinema