Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Notícias

Especialistas avaliam se Costa Concordia deve ser consertado ou desmontado

O que acontecerá com o Costa Concordia? Especialistas sugerem que o navio seja consertado. A solução é apontada como a mais elegante e mais económica, embora extremamente complicada.

O Costa Concordia continua à deriva sobre um rochedo próximo à pequena ilha italiana de Giglio. Ainda não se sabe o que vai acontecer com a enorme embarcação danificada. É possível que ela seja consertada ou que seja cortada em partes e transportada para outro local. "Existem estas duas possibilidades", diz Stefan Krüger, professor de construção naval da Universidade Técnica de Hamburgo-Harburg.

Fazer com que o navio volte a navegar é um processo que depende de vários fatores. Primeiro, é preciso fechar o buraco de pelo menos 70 metros de comprimento no casco da embarcação. Outras incontáveis pequenas fendas teriam que ser soldadas. "Só quando o navio estiver totalmente vedado é que ele poderá ser esvaziado e colocado na posição certa", avalia Krüger. Na opinião do especialista, trata-se de um enorme desafio, embora não seja de todo impossível.

Reerguer e transportar

Quando a balsa Herald of Free Enterprise em 1987 ficou presa em um banco de areia a nove metros de profundidade diante da costa belga, foi possível desencalhar a embarcação. Naquela época, foram fincados 16 pilares de concreto no fundo do mar, sobre os quais a equipe de resgate montou gruas. A carcaça da balsa foi reerguida e depois transportada.

Algo parecido poderia acontecer com o Costa Concordia, ou seja, as empresas responsáveis pelo resgate poderiam fixar pilares no fundo do mar, junto ao casco do navio, a fim de reerguer a embarcação com a ajuda de enormes cintas. Para ajudar, seriam utilizadas gigantescas almofadas de ar.

Isso só deverá ocorrer se as avaliações levarem à conclusão de que o navio de cruzeiro, embora danificado, ainda é estável o suficiente, podendo ser puxado para o mar profundo com o uso de correntes especiais, e só depois virado. Pois o trabalho necessário para uma ação como esta é enorme: o Costa Concordia tem mais de 290 metros de comprimento e pesa mais de 114 mil toneladas. A título de comparação: o Herald of Free Enterprise tinha a metade deste comprimento e pesava 8 mil toneladas.

O procedimento iria demorar meses, estima o especialista Krüger. "Em princípio, seria possível até mesmo recolocar o navio em funcionamento", diz. Krüger duvida, contudo, que alguém no mundo vá querer fazer um cruzeiro neste navio. A maior probabilidade é, então, que o Costa Corcordia seja mesmo desmontado e transformado em sucata.

Aos pedaços

Caso o navio esteja, de fato, muito danificado e instável para ser reerguido e transportado, ele poderá ser desmantelado. A ideia é cortar a embarcação em partes, de algumas toneladas cada uma, e tirá-las do mar com o auxílio de cabos de aço com diamantes. O avariado submarino nuclear russo Kursk foi desmantelado desta forma há 12 anos.

As partes da embarcação são, por fim, resgatadas com uma grua especial e transportadas de navio para um depósito de resíduos. Uma ação desta, contudo, iria demandar entre um e três anos, ou seja, mais tempo do que o processo de vedar, transportar e reerguer o navio, avalia Eyk-Uwe Pap, especialista em resgate da empresa Baltic Taucher, de Rostock, no norte da Alemanha.

Além disso, ainda é necessário bombear todo o combustível do navio antes que ele seja desmanchado – uma tarefa que parece mais fácil do que realmente é, porque o combustível adquire uma consistência de piche em meio à temperatura da água em torno de 10ºC, registrados no momento em frente à costa italiana. Por isso, o combustível teria que ser primeiramente aquecido, para então ser retirado do navio.

No momento, a escolha do método usado para resgatar o Costa Concordia não passa de especulação. A decisão será tomada nos próximos dias. As condições meteorológicas irão desempenhar um papel importante: más condições de tempo, vento e ondas fortes poderão movimentar o navio, o que seria uma catástrofe.

Pois o mais importante, diz Pap, é estabilizar a carcaça do jeito que ela está. Caso a embarcação fique sem controle e escorregue do rochedo para o mar aberto, afundando a seguir, os trabalhos de resgate serão muito mais complicados e ainda mais caros. Numa situação como essa, é provável que o navio nem seja mais resgatado e sim simplesmente deixado lá, supõe o engenheiro Stefan Krüger.

fonte




 







Artigos relacionados:

  • Lei não obriga capitão a ficar no navio, dizem especialistas
  • Bilhetes para uma nova viagem à venda dois dias após o naufrágio
  • Encontrado mais um cadáver, balanço do naufrágio sobe para 12 mortos
  • «Volta para bordo, porra!»
  • Dominika, a bailarina que defende o comandante
  • «Não fumo, não bebo, não me drogo»
  • Oficial que repreendeu comandante de navio vira herói em Itália
  • T-shirts com a frase «Volte a bordo, c!» à venda em Itália
  • Familiar de vítima do Titanic sobrevive a naufrágio do Costa Concordia
  • Portugueses reprogramam férias em cruzeiros
  • Titanic italiano afunda acções da Carnival
  • Tamanho de navios dificulta resgate em naufrágios
  • ONU equaciona mudar regra marítima após naufrágio na Itália
  • Juíza argentina de 72 anos nadou para escapar de naufrágio
  • Antonello Tievoli, protagonista involuntário da tragédia
  • Medo de uma «bomba ecológica» faz a ilha de Giglio tremer
  • Ouça o telefonema polémico do comandante do Costa Concordia
  • Uma hora de grande tensão transcrita na íntegra
  • Marido salvou Nicole Servel antes de desaparecer
  • Tripulação vestiu coletes antes dos passageiros
  • Mulher estava numa caixa de magia durante naufrágio
  • As últimas horas a bordo do Concordia
  • Comandante do Costa Concordia colocado em prisão domiciliária
  • Cronologia dos principais acidentes marítimos desde o Titanic
  • Sobe para cinco número de mortos em acidente do Costa Concordia
  • «Parece-me óbvio que foi um enorme erro humano», diz ministro italiano
  • Detido comandante do navio que naufragou
  • Onze portugueses estavam a bordo do navio que encalhou
  • Sobreviventes do «Costa Concordia» escapam em salva-vidas
  • Conselho Europeu de Cruzeiros anuncia investigação «completa e exaustiva» do naufrágio
  • Carnival expressa «profunda tristeza» pela «terrível tragédia»
  • Costa Concordia, um palácio flutuante
  • Passageiros portugueses criticam comandante
  • Os piores naufrágios ocorridos na Europa, nos últimos 20 anos
  • Oito mortos em evacuação de navio de cruzeiro que encalhou
  • Costa Concordia embateu no cais do Porto de Palermo
  • Tragédia às portas do paraíso