Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIAS NO CAE - TERMINA DIA 5

«A persistência da luz» ao longo da costa figueirense

Fotografias em sequência mostram o percurso ao longo da costa entre o Cabo Mondego e a Praia da Cova Gala, onde assume preponderância a "persistência da luz". Trabalhos de Luís Oliveira Santos, para ver no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz (CAE), até 5 de Fevereiro.

Luís Oliveira Santos nasceu em Ílhavo, em 1965. Licenciado em Arquitectura, é Professor de Artes Visuais e Mestre em Criação Artística Contemporânea. Tem realizado projetos na área da fotografia de arquitetura e de produto para diversas publicações e exposições. Quando olhamos para a fotografia de um lugar, olhamos para a construção de uma memória, de uma contemplação e, por vezes, do entendimento. Um lugar e a sua fotografia são sempre territórios onde se podem construir sentidos, independentemente de se estar. À pergunta, afinal porque insistimos em fotografar, pode responder -se, como alguém o disse no passado, pelo prazer de ver como as coisas ficam depois de fotografadas.
Mas, no fundo, é a construção da memória que mais nos interessa.
Procuramos que a fotografia fixe essa memória da inevitabilidade do tempo, que se forma e desaparece num instante de luz. E só as pedras ancoradas na margem da praia nos parecem eternas, no sossego do seu tempo.
Persistindo, com a mesma persistência da luz.

MAIS DETALHES