Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Notícias

DOIS SOBREVIVENTES APRESENTAM QUEIXA CONTRA A EMPRESA

Tripulação vestiu coletes antes dos passageiros

Um advogado francês, que representa dois sobreviventes do naufrágio do «Costa Concordia», anunciou que vai apresentar queixa contra a empresa proprietária do navio.

Os clientes, Patrice e Tatiana Vecchi, residentes no sudeste de França, querem constituir um processo conjunto que deverá reunir uma centena de vítimas, disse o advogado, Frédéric Casanova.

A queixa, apresentada ao delegado do Ministério Público de Toulon, acusa a Costa Crociere de «não assistência a pessoa em perigo, colocação em risco da vida de terceiros, homicídio involuntário e desrespeito das regras de segurança», afirmou o advogado à agência France Presse.

«O comandante do navio não estava no local, foi a desorganização total e a Costa Crociere deve explicar-se», disse.

«Seremos sempre mais fortes se estivermos unidos do que se apresentarmos queixas separadamente», explicou o cliente, Patrice Vecchi.

«Os procedimentos de emergência, além de terem sido accionados tardiamente, foram desorganizados. Não é normal que vários de nós se vissem sem colete salva-vidas quando o pessoal da tripulação já os tinha», disse, apontando «uma falta de formação» da tripulação.

«Depois, quando desembarcámos, a (empresa) Costa desapareceu, ficámos entregues a nós próprios», acrescentou.

fonte

MAIS DETALHES (em francês)







Artigos relacionados:

  • Portugueses reprogramam férias em cruzeiros
  • Titanic italiano afunda acções da Carnival
  • Tamanho de navios dificulta resgate em naufrágios
  • ONU equaciona mudar regra marítima após naufrágio na Itália
  • Juíza argentina de 72 anos nadou para escapar de naufrágio
  • Antonello Tievoli, protagonista involuntário da tragédia
  • Medo de uma «bomba ecológica» faz a ilha de Giglio tremer
  • Ouça o telefonema polémico do comandante do Costa Concordia
  • Uma hora de grande tensão transcrita na íntegra
  • Marido salvou Nicole Servel antes de desaparecer
  • Sobe para cinco número de mortos em acidente do Costa Concordia
  • «Parece-me óbvio que foi um enorme erro humano», diz ministro italiano
  • Detido comandante do navio que naufragou
  • Onze portugueses estavam a bordo do navio que encalhou
  • Sobreviventes do «Costa Concordia» escapam em salva-vidas
  • Conselho Europeu de Cruzeiros anuncia investigação «completa e exaustiva» do naufrágio
  • Carnival expressa «profunda tristeza» pela «terrível tragédia»
  • Costa Concordia, um palácio flutuante
  • Passageiros portugueses criticam comandante
  • Os piores naufrágios ocorridos na Europa, nos últimos 20 anos
  • Oito mortos em evacuação de navio de cruzeiro que encalhou
  • Costa Concordia embateu no cais do Porto de Palermo
  • Tragédia às portas do paraíso