Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

COSTA CONCORDIA

Juíza argentina de 72 anos nadou para escapar de naufrágio

Buenos Aires - Uma juíza argentina de 72 anos, que chegou esta segunda-feira ao seu país, contou que conseguiu sobreviver ao naufrágio do cruzeiro Costa Concordia no mar Tirreno ao saltar do navio e nadar vários metros até a costa da ilha de Giglio (Itália).

'Não havia mais saída a não ser pular no mar. Saltei com 30 ou 40 pessoas que também ficaram sem bote salva-vidas', alegou à imprensa a magistrada Maria Inês Lona (na foto) no aeroporto internacional de Ezeiza, próximo de Buenos Aires.

A juíza voltou ao país em um voo procedente da Itália junto com suas duas filhas, que também estavam no cruzeiro. As três chegaram junto com outros passageiros do navio que encalhou na noite de sexta-feira no mar Tirreno, causando a morte de pelo menos seis pessoas.

'Com outros passageiros que também não conseguiram subir nos botes, caminhamos até a popa, que era o lugar mais próximo do litoral. Senti que o navio rangia quando já estávamos pendurados no lado direito', explicou a magistrada, que vive na província de Mendoza.

A mulher lembrou que um espanhol a ajudou na decisão de saltar na água 'fria e transparente', e que só levava o colete salva-vidas, um casaco e seus sapatos para evitar que as pedras ferissem seus pés.

'Não foi um acto de heroísmo, mas de sobrevivência. Enquanto nadava, o navio se inclinava cada vez mais, e meu medo era que ele afundasse e me sugasse', afirmou a juíza ao recordar a tragédia ocorrida nas águas da região da Toscana.


 







Artigos relacionados:

  • Portugueses reprogramam férias em cruzeiros
  • Titanic italiano afunda acções da Carnival
  • Tamanho de navios dificulta resgate em naufrágios
  • ONU equaciona mudar regra marítima após naufrágio na Itália
  • Sobe para cinco número de mortos em acidente do Costa Concordia
  • «Parece-me óbvio que foi um enorme erro humano», diz ministro italiano
  • Detido comandante do navio que naufragou
  • Onze portugueses estavam a bordo do navio que encalhou
  • Sobreviventes do «Costa Concordia» escapam em salva-vidas
  • Conselho Europeu de Cruzeiros anuncia investigação «completa e exaustiva» do naufrágio
  • Carnival expressa «profunda tristeza» pela «terrível tragédia»
  • Costa Concordia, um palácio flutuante
  • Passageiros portugueses criticam comandante
  • Duro golpe para o turismo de cruzeiros?
  • Os piores naufrágios ocorridos na Europa, nos últimos 20 anos
  • Oito mortos em evacuação de navio de cruzeiro que encalhou
  • Costa Concordia embateu no cais do Porto de Palermo
  • Tragédia às portas do paraíso