Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

UM TEMPLO DE DIVERTIMENTO E BEM-ESTAR

Costa Concordia, um palácio flutuante

O navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou sexta-feira à noite, era a jóia da coroa da empresa proprietária, que fez deste palácio flutuante, com um comprimento equivalente a três campos de futebol, um templo consagrado ao divertimento e ao bem-estar.

Como o Titanic na sua época, o Concordia acumulava superlativos. Navio almirante da frota Costa desde o seu lançamento, em 2006, obra dos estaleiros navais italianos Fincantieri, era o maior navio jamais construído no país: 290 metros de comprimento por 38 de largura.

Para manobrar e manter este gigante dos mares eram necessários não menos de 1068 tripulantes, o que o tornava numa cidade flutuante com capacidade para acolher até 3780 passageiros. Repartiam-se por 1500 cabines, 505 com varanda privada, a que se juntavam 70 luxuosas suites.



Para alimentar este pequeno mundo, havia cinco restaurantes, três deles no muito exclusivo Club Concordia, em que as mesas só estavam disponíveis sob reserva e a clientela visada era de gama alta.

Para aperitivos e digestivos, o passageiro escolhia entre treze bares com nomes evocativos da sua especialidade, de “Cognac e charuto” a “Café e chocolate”.

Mas era sobretudo pelos serviços destinados a proporcionar bem-estar que o Concordia se distinguia desde que começou a operar: cinco jacuzzis, três piscinas, duas delas com tecto móvel de cobertura de vidro, recinto desportivo multi-actividades, circuito de jogging a céu aberto...

Cereja em cima do bolo: o Samsara Spa, apresentado oficialmente como maior centro de manutenção da forma a bordo de um navio. Este espaço de mais de 6000 metros quadrados distribuídos por dois andares permitia ao passageiro uma verdadeira “cura” durante a viagem. Visando os adeptos da manutenção da forma, 50 cabines tinham acesso directo a este clube exclusivo. No interior, o embaraço era a escolha: sala de desporto, espaço para terapia pelo banho, sauna, solário...

Uma vez recuperados, os passageiros podiam dirigir-se ao teatro de três andares, ao casino ou à discoteca onde se organizavam noites temáticas. Em alternativa, o Concordia oferecia acesso à Internet e uma biblioteca. Os viciados em compras podiam dedicar-se ao seu passatempo favorito em dezenas de lojas.

Os que ainda assim não se sentissem felizes podiam refugiar-se frente ao simulador automóvel Grand Prix, ou ver um filme em ecrã gigante.

No plano técnico, o navio estava equipado com dois motores com uma potência equivalente a 21 MW, que lhe permitiam alcançar uma velocidade máxima de 23,2 nós [um nó corresponde a 1852 metros hora]. A uma velocidade de cruzeiro de 19,6 nós, tinha autonomia para dez a 14 dias.

fonte
 







Artigos relacionados:

  • Sobe para cinco número de mortos em acidente do Costa Concordia
  • «Parece-me óbvio que foi um enorme erro humano», diz ministro italiano
  • Detido comandante do navio que naufragou
  • Onze portugueses estavam a bordo do navio que encalhou
  • Sobreviventes do «Costa Concordia» escapam em salva-vidas
  • Conselho Europeu de Cruzeiros anuncia investigação «completa e exaustiva» do naufrágio
  • Carnival expressa «profunda tristeza» pela «terrível tragédia»
  • Passageiros portugueses criticam comandante
  • Costa Concordia embateu no cais do Porto de Palermo
  • Tragédia às portas do paraíso