Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Os novos desafios da aquacultura

Uma indústria global, que está em expansão e é incontornável. É deste modo que o biólogo marinho Jorge Dias vê a produção piscícola em aquacultura. Para o investigador da Universidade do Algarve, hoje não faz sentido discutir se o método produtivo é bom ou mau, porque esta é uma realidade relativamente à qual "não há volta a dar". Por isso defende que se há preocupações neste âmbito, não devem centrar-se em torno da existência deste tipo de projectos, mas em como garantir a sustentabilidade ambiental dos mesmos e a segurança alimentar do consumidor.

De todo o peixe que a nível mundial é destinado, anualmente, a consumo humano, cerca de 44% de um total de 160 milhões de toneladas - pesca e produção em cativeiro - são provenientes de explorações de aquacultura, revela o relatório de 2010 da FAO, organização das Nações Unidas para a alimentação e a agricultura.

Até por esta razão, Jorge Dias entende que não podemos continuar a discutir se a aquacultura compete ou não com as pescas, mas sim assumir que esta é "uma indústria incontornável".

Ásia largamente à frente
Actualmente, ao nível do volume de produção, a China e os restantes países asiáticos são responsáveis por 88% da produção mundial de peixes de aquacultura. Ainda segundo o relatório da FAO, só a China, terá sido responsável, em 2008, por 32,7 milhões de toneladas de peixe, de um total das 52,5 milhões toneladas produzidas a nível mundial.

Neste capítulo, a Europa tem vindo a registar, cada vez mais, um défice de pescado para consumo. E em Portugal esses indicadores são ainda mais negativos, de acordo com o especialista Tiago Pitta e Cunha, autor do estudo "Estratégia nacional para os oceanos". Os números oficiais revelam que três quartos do peixe que consumimos correspondem a importações, facto que tem ajudado a agravar o défice externo do País.

Com os problemas associados à sobrepesca, a produção de espécies em cativeiro assume-se, numa perspectiva económica e ambiental, como um subsector complementar à actividade pesqueira. Os números oficiais relativamente à indústria de aquacultura em Portugal apontam para que a produção ronde as cerca de oito mil toneladas, podendo chegar às 25 mil, dentro de quatro anos, quando o projecto Acuinova, da Pescanova, estiver a funcionar em pleno. Basta porém lembrar que, já hoje, segundo dados avançados por Tiago Pitta e Cunha, um País como a República Checa, que não tem mar, produz cerca 30 mil toneladas de pescado de aquacultura de água doce. Ou seja, apresenta valores três vezes superiores aos do nosso país.

Desafios económico e ambiental
Há pois todo um conjunto de desafios que se colocam. Desde logo económicos, mas também de sustentabilidade, evidencia, por seu turno, Jorge Dias. Tal como diz, "existe uma enorme pressão sobre este sector em termos ambientais e no que diz respeito à qualidade alimentar". Neste âmbito, lembra o papel que cabe desempenhar à ciência e aos investigadores, como é o seu caso, competindo-lhes, hoje em dia, encontrar soluções que conduzam ao desenvolvimento sustentado da aquacultura.

Se há já sistemas que mitigam o risco de fuga de espécies em cativeiro, permitindo deste modo reduzir problemas ao nível da "contaminação" biológica dos "habitats" naturais, outra das questões que se coloca prende-se com o tipo de alimentação utilizada em aquacultura, já que esta é a principal fonte de poluição da indústria em causa.

Um dos caminhos, afiança o investigador, é optar pela redução de alimentos feitos à base de farinha e de óleo de peixe. Como alternativa surgem os compostos à base de algas e aqui, assegura, a investigação tem vindo a registar progressos importantes, nomeadamente em Portugal e, mais globalmente, a nível europeu.


44
Em 2008, de 160 milhões de toneladas de pesca e produção de peixe em cativeiro, 44% saiu de explorações de aquacultura.

52,5
A China terá produzido, em 2008, 32,7 milhões de toneladas de peixe de aquacultura, de um total mundial de 52,5 milhões toneladas.

8
Os números oficiais da indústria de aquacultura em Portugal apontam para que a produção ronde as cerca de oito mil toneladas.

fonte
 







Artigos relacionados:

  • Valorização dos produtos da pesca local e da aquicultura
  • Baleia corcunda inspira biólogos portugueses a inventar forma de pesca
  • Indústria conserveira está a ganhar uma nova vida em Olhão