Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

TIAGO PITTA E CUNHA NO CASINO FIGUEIRA:

«Acredito que desta vez vão existir alterações no que respeita à economia do mar»

“Sem ambição não podemos competir. A Estratégia de Lisboa é centrada na inovação. Mas esta (inovação) não pode existir sem um substrato. Os recursos naturais devem estar ao lado da inovação para que possamos redimensionar o país”, disse Tiago Pitta e Cunha durante o «Ciclo Rotas de Futuro: Re…Descobrir o Mar», uma iniciativa realizada ontem no Casino Figueira.

“O Uso do Mar” foi o ponto de partida desta conferência, na qual o assessor para os Assuntos do Mar do Presidente da República destacou “o enorme potencial de Portugal” no que respeita às questões do mar, tais como o clima, a geografia, os recursos naturais e a biofísica.

“Há dificuldade em fazer uma economia relevante do mar em Portugal”, alertou, sublinhando que a nível nacional é preciso passar da estratégia à acção.

“Há cinco anos definimos a Estratégia Nacional do Mar. Mas até hoje não conseguimos passar à acção”, disse, realçando ser necessário, entre outros, “demolir a barreira administrativa” que existe entre a iniciativa privada e o mar, ou seja, “alterar o paradigma da burocracia”.

Para Tiago Pitta e Cunha, que tem analisado as várias alternativas de actividade económica a desenvolver a partir dos recursos do mar, “é urgente reconhecer o potencial nacional, criar vantagens competitivas e posicionar Portugal nas oportunidades”.

“Uma medida de avanço”

“Este Governo tem uma maior compreensão em relação ao mar. Acredito que desta vez vão existir alterações no que respeita à economia do mar”, disse Tiago Pitta e Cunha, recordando “a decisão de, em vez de se fazer um TGV, fazer uma linha de mercadorias mista a ligar o porto de Sines a Espanha e outra a ligar o porto de Aveiro a Valladolid (Espanha) ”.
“Esta é uma medida de avanço”, considerou o investigador e autor do livro “Ensaio sobre Portugal e o Mar”, editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e Relógio D’Água.

Dinamizado em parceria pelo Casino Figueira, Armada Portuguesa e SIC Notícias, este Ciclo contou com a presença do Contra-Almirante Seabra de Melo, actual director da Escola Naval.

FONTE