Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Emprehendimento de promover Lisboa á cathegoria de caes da Europa

Na primeira década do século XX, a tendência da municipalidade de tornar a apostar no embelezamento da zona ribeirinha, nomeadamente do Aterro da Boa-Vista e avenida 24 de Julho, continuava na ordem do dia. Em 1906, o vereador Sabino Coelho (1853-1938) colocou na ordem de trabalhos a questão do embelezamento da zona ribeirinha ocidental. A causa desta nova chamada de atenção era o “emprehendimento de promover Lisboa á cathegoria de caes da Europa”, em que estava empenhada a recém-formada Sociedade de Propaganda de Portugal.

Esta Sociedade, criada por um conjunto de personalidades das diversas sensibilidades político-partidárias da época patrocinou durante estes anos diversas propostas de melhoramentos e embelezamento de Lisboa. Uma das zonas da capital que lhe mereceram especial atenção foi, precisamente, a zona ribeirinha, para a qual tinha as seguintes aspirações: promover a transferência do arsenal de Marinha; promover o prolongamento do caminho de ferro de Cascais até Santa Apolónia; promover a entrega de todos os cais e terrenos do Porto de Lisboa aos serviços de passageiros, mercados e comércio maritimo; promover a construção de terraços sobre colunas nas margens do Tejo para que o publico pudesse daí avistar o rio, segundo o modelo adoptado para o porto de Anvers.

A maior oposição a este projecto veio do arquitecto Miguel Ventura Terra (1866-1919) que era, desde 1908, vereador municipal eleito pelo Partido Republicano. No contexto da sua acção ao serviço do município da capital, Ventura Terra defendeu vigorosamente o que, na sua própria visão era necessário para os melhoramentos da zona ribeirinha, incluindo a construção do porto de Lisboa. Ventura Terra propunha, por exemplo, que se fizesse um acordo com a Companhia Real de Caminhos de Ferro para que a estação terminal do caminho de ferro de Cascais fosse construída em Santos, e não no Cais do Sodré (como acabou por sê-lo), proposta que aliás conseguiu ver aprovada em sessão camarária.

Parte desta visão foi divulgada numa entrevista que a revista Ilustração Portuguesa fez a Ventura Terra, em 1910, e onde, a propósito da proposta da Propaganda de Portugal, de transferência do Arsenal para a margem esquerda, afirmou: “Por mim até gostaria“porque então essa avenida do Aterro que eu planeei, a extensão desde Santos, com os seus jardins, prolongar-se-hia mais, tomaria os terrenos do actual Arsenal e seria no famoso Terreiro do Paço que iria terminar”. Na extensão entre Santos e o Cais do Sodré, o arquitecto-vereador sonhava com “edificios importantes sem duvida os mais bem situados da Capital, grandes hoteis, casinos, museus, etc. Constituindo o todo um esplendido vestibulo desta cidade”, permitindo aos turistas que desembarcavam em Lisboa ter “a impressão de entrar n’uma capital civilizada”. Este plano para a margem ribeirinha da cidade era, em suma, uma versão mais modesta da grandiosa monumentalidade que, em 1906, Fialho tinha também sonhado para a Lisboa ribeirinha.

Se para Miguel Ventura Terra, o plano da Propaganda de Portugal não devia ser tido em conta, o contrário também sucedia. Isto é, para a direcção daquela sociedade, o plano do arquitecto era “nocivo e chimerico”. Estas divergências de opinião em relação aos melhoramentos a empreender na margem ocidental de Lisboa, no sentido de aformosear a cidade, foram objecto de algumas iniciativas levadas a cabo pela Sociedade de Propaganda pela voz do seu presidente, o engenheiro Fernando de Sousa (1855-1942), durante os anos de 1909 e 1910 .

O objectivo era demonstrar que os alvitres avançados por Ventura Terra, nomeadamente a transferência da estação terminal da linha de Cascais do Cais do Sodré para Santos e o ajardinamento da faixa dessa faixa ribeirinha, eram “inoportunos e contraproducentes”. Por outro lado, respondia-se às objecções do arquitecto com os inconvenientes do seu próprio projecto. Por exemplo, que o “affastamento para mais longe, da estação do Caes do Sodre traria grandes inconvenientes para o publico”; que, se o terreno compreendido entre o Cais do Sodré e Santos era “preciso para jardins”, era “ainda mais preciso para o trafico commercial, cargas e descargas, etc.”; que a avenida marginal deveria ser construída entre a Praça do Comércio e o Cais do Sodré, assim que o Arsenal fosse mudado para a margem sul do Tejo. Deste modo, “nos terrenos devolutos, construir-se-hiam edificações magnificas, um hotel de primeira ordem, por exemplo”, ficando assim, “resolvido o problema do arsenal, da respectiva rua, e o de se arranjar, á beira Tejo, um formoso passeio”.

Alguns meses mais tarde, em reacção à entrevista de Ventura Terra à Illustração Portuguesa, o presidente da Propaganda realizou uma conferência sobre o mesmo assunto, onde tornou a rebater as afirmações de Ventura Terra, e afirmou que o seu único desejo era conciliar “as duas ideias - o Aterro, passeio de luxo e logar de trabalho”. Estas mesmas ideias eram também defendidas nas páginas da revista A Construção Moderna, nomeadamente num artigo intitulado “O ajardinamento da margem do Tejo entre Santos e Santa Apolonia”, onde se afirmava que embora “o alvitre apontado [pela Câmara Municipal] é certo que com louvavel intuito do embelezamento de Lisboa, teria o grave inconveniente de prejudicar não só a economia geral,.... mas obstaria á realisação do vasto plano integral que Emygdio Navarro condensou nas palavras «Lisboa caes da Europa»....”.

Os melhoramentos da margem do Tejo tornaram-se para Miguel Ventura Terra uma quase obsessão, não se tendo poupando a esforços para os conseguir ver realizados, mobilizando para a sua causa diversas entidades com influência na vida social e económica de Lisboa. Ao longo dos anos em que ocupou a cadeira de vereador (1908-1912), Ventura Terra não deixou de insistir para que o poder central aprovasse e disponibilizasse os meios suficientes para pôr em prática a sua visão. Numa dessas vezes, fazendo uma espécie de ponto da situação, recordava que “ ha cerca de dois annos que a Camara vem representando naquele sentido [aprovação do plano de melhoramentos da margem do Tejo] aos respectivos ministerios, sem que tenha até hoje recebido resposta; nem mesmo consta que tivesse sido acusada a recéção das sucessivas representaçãoes (...)”, pelo que concluia propondo que “novamente se represente ao Ministerio do Fomento, pedindo urgencia na resposta”. A Câmara Municipal necessitava que o poder central lhe cedesse os terrenos que lhe pertenciam e que negociasse com a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses os terrenos que esta possuía entre o Cais do Sodré e Santos. Para isso, foi Ventura Terra o autor de numerosas representações ao poder central que, pura e simplesmente, as foi sucessivamente ignorando. Mesmo o governo central saído da revolução de 5 de Outubro de 1910 que partilhava dos ideais políticos que a equipa que administrava a cidade do país, demonstrou a mesma indiferença que os anteriores executivos. Quem acabou por ganhar esta causa foram a Companhia de Caminhos de Ferro, a Administração do porto de Lisboa e a Sociedade de Propaganda de Portugal, que acabou por levar de vencida algumas das suas aspirações, ao conseguir ver construída no local que defendia - o Cais do Sodré - a estação do caminho de ferro para Cascais.

Em 1916, a Administração do Porto de Lisboa e a Sociedade de Propaganda de Portugal fizeram parte de uma comissão destinada a resolver o problema dos melhoramentos da margem ocidental do Tejo. Esta comissão, cujos outros membros eram o presidente da comissão executiva da Câmara Municipal, o director geral dos Correios e Telégrafos, um engenheiro da exploração do porto de Lisboa, um engenheiro da Companhia dos Caminhos de Ferro, um engenheiro da Companhia do Estoril, acessorados pelos vereadores dos pelouros de Engenharia e Arquitectura e os chefes da 3ª (engenharia) e 4ª (arquitectura) da edilidade elaborou um ante-projecto classificado como “uma obra absolutamente realizavel”, com inúmeras “vantagens de ordem economica e estetica”, destinado a “fazer desaparecer da margem do Tejo as construções marroquinas” que por aí imperavam[57]. Contudo, neste ante-projecto as aspirações do arquitecto Ventura Terra acabaram postas de lado. Quem perdeu não foi Miguel Ventura Terra, mas Lisboa.

FOTO: Avenida 24 de Julho (186_?) Fotógrafo não identificado (ATERRO da 24 de Julho, a Praça Duque da Terceira ainda sem a estátua mas arborizada e com calçada à portuguesa) in AFML

ARTIGO NA ÍNTEGRA DISPONÍVEL AQUI

 







Artigos relacionados:

  • Começa a construção do Porto de Lisboa
  • A Difícil História da Construção do Moderno Porto de Lisboa
  • O Aterro
  • O perfil da margem ribeirinha de Lisboa em meados do século XIX