Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

PONTO DE INTERROGAÇÃO

O que é a Carta dos Sedimentos Superficiais da Plataforma Continental Portuguesa?

A "Carta dos Sedimentos Superficiais da Plataforma Continental Portuguesa" é uma publicação do Instituto Hidrográfico. Esta cartografia, pertencente à “Série Sedimentológica”, é constituída por oito folhas, à escala de 1:150 000, e respectivas notícias explicativas.

Até à data, encontram-se publicadas três folhas: a SED 5 (Do Cabo da Roca ao Cabo de Sines), a SED 6 (Do Cabo de Sines ao Cabo de S. Vicente) e SED 7-8 (Do Cabo de S. Vicente ao Rio Guadiana).
A produção destas cartas teve origem no Programa SEPLAT, cujo objectivo era cartografar os sedimentos superficiais do fundo marinho. Este programa, em desenvolvimento no Instituto Hidrográfico desde 1974, é financiado pela Marinha e destina-se a substituir as antigas "Cartas Litológicas Submarinas", publicadas entre 1913 e 1941.

As campanhas oceanográficas realizadas no âmbito do Programa SEPLAT possibilitaram a colheita de centenas de amostras de sedimentos da superfície do fundo marinho ao longo de toda a costa de Portugal continental (do Minho ao Algarve), desde a linha de costa até aos 500 m de profundidade, segundo uma malha de amostragem aproximadamente rectangular, com 1 milha náutica de espaçamento médio.

As amostras de sedimento assim obtidas, depois de processadas no laboratório de sedimentologia do Instituto Hidrográfico, fornecem a informação necessária ao desenho e construção das referidas cartas: a classificação adoptada na "Carta dos Sedimentos Superficiais da Plataforma Continental Portuguesa" resulta do estudo combinado da análise dimensional (granulometria) dos sedimentos e do seu teor em carbonato.

MAIS DETALHES
 







Artigos relacionados:

  • Uma porta para o conhecimento do nosso território
  • Como se dividiu o mar
  • A Plataforma Continental
  • A delimitação territorial, uso e a apropriação dos seus recursos.
  • A propósito do «mar patrimonial» brasileiro
  • Governo brasileiro quer construir navios de pesquisa para explorar e mapear o mar territorial
  • «Reforço da prospecção do mar custará até 15 milhões por ano»
  • Projecto de Extensão da Plataforma Continental portuguesa
  • Vales e canhões submarinos
  • Cabo Verde pretende alargar área de jurisdição marítima
  • «A nossa nova fronteira é o mar profundo»
  • «A plataforma continental de Portugal transforma um país pequeno num país médio»
  • Dinamarca vai reivindicar o Pólo Norte
  • Portugal vai apoiar Angola no processo de delimitação das fronteiras marítimas