Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

FAROL DO CABO DA ROCA

Incandescência a petróleo chegou a 26 de Outubro de 1896

Na segunda metade do século XVIII iniciou-se a instalação de faróis no litoral vizinho de Lisboa, auxiliando o tráfego marítimo costeiro e garantindo a segurança dos navios, nomeadamente na entrada da barra do Tejo. Foi, pois, nesse contexto que em 1772 se ergueu o farol do Cabo da Roca. Este possui diversos anexos térreos e uma torre quadrangular de 22 metros de altura e que se encontra integralmente revestida com azulejos brancos.

Em 1843, segundo uma obra publicada no ano de 1872, pela Impressa Nacional, "Pharoes, Marcas Marítimas, Estações Semaphóricas e Postos Meteorológicos em Portugal", e quando o Serviço de Faróis já se encontrava sob a alçada do Ministério da Fazenda, foi o farol do Cabo da Roca totalmente remodelado e é então que ele apresenta mais ou menos, o aspecto actual.

Funcionamento com incandescência a petróleo, só a 26 de Outubro de 1896, e já quando os faróis haviam passado a depender de outro departamento governamental, a Marinha, o farol do Cabo da Roca recebeu o benefício da energia eléctrica.

Mais tarde a instalação de um rádio-farol, accionado por 2 motores, cujo alcance de 100 milhas muito aumentou a importância desta ajuda à navegação marítima do Cabo da Roca, tornou-se assim extensiva às aeronaves, vindo aumentar ainda mais o valor da obra implantada em 1772, na ponta mais ocidental do continente Europeu.

Ali, no Cabo da Roca, onde, também se pode dizer que a Terra Acaba e o Mar Começa, uma Vigia, um Forte e um Farol, desempenharam ao longo de várias épocas, cada um à sua maneira, um papel importante na defesa da região, do País e da navegação em geral.

- Localização: Cabo da Roca
- Posição: Latitude 38º 47' Norte - Longitude 9º 30' Oeste
- Altitude: 165m
- Estrutura Torre prismática quadrangular com edifícios
anexos
- Altura da Torre: 22 m
- Sistema Iluminante: Óptica em cristal, direccional rotativa
- Lâmpada: 100W/120V quartzline
- Luz cor: Branca
- Alcance: 24 km
- Período: 20’

É considerado o mais ventoso de todos os faróis do País.
A subida ao ponto mais alto do Farol faz-se por uma escada em caracol com 88 degraus.

O Cabo da Roca está entre os cerca de 800 pontos geográficos espalhados pelo mundo que, desde 1989, têm sido dedicados à Paz, através do programa Sri Chinmoy Peace Blossoms.

Da sua riqueza biológica, no espaço envolvente, sobressai a flora peculiar que ali se encontra, com especial destaque para a armeria pseudoarmeria, planta de flores brancas que se desenvolve nesta região, devido aos ventos dominantes de Norte e de Noroeste,
carregados de humidade pela “presença do mar e pela ocorrência de frequentes nevoeiros.”

FONTE
Recolha de Vitalino Cara d’Anjo
 







Artigos relacionados:

  • Trilhos de Natureza pelo Cabo da Roca
  • O farol mais ocidental do continente europeu
  • A vida no farol do Cabo da Roca
  • A «Vaca da Azóia»