Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

COMISSÃO EUROPEIA

Bruxelas cria «eurobonds» para financiar transportes

O presidente Durão Barroso anunciou esta quarta-feira, 19 de Outubro, os planos da Comissão Europeia para criar obrigações europeias, ‘eurobonds', garantidas pelo orçamento comunitário, para financiar projectos de infra-estruturas. Não se trata do projecto de ‘eurobonds' em que muitos vêm a salvação para os problemas do euro. Aqui o objectivo é superar alguns estrangulamentos orçamentais e sobretudo retracção do investimento durante a crise que têm impedido iniciativas transfronteiriças de avançar. Porém, o Banco Central Europeu avisou que esta iniciativa, se não for bem conduzida, poderá potencialmente elevar a opacidade nas contas públicas europeias com a assunção de passivos.

Para a Comissão, a ideia é que sejam as próprias empresas promotoras das iniciativas mas o risco será coberto pelas instituições europeias, numa tentativa de atrair mais investidores, tais como seguradoras ou fundos de pensões, explicou Barroso. No início, Bruxelas espera investidores europeus mas acredita que o interesse se vai alastrar e antecipa o envolvimento de fundos soberanos por uma questão de perfil de investimento.

FONTE: ECONÓMICO