Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

POR LUÍS SOUSA

A Plataforma Continental

Dadas as suas características geomorfológicas, a plataforma continental constitui a mais importante área do relevo submarino, uma vez que aí se encontram grande parte dos recursos marinhos vivos ou não vivos e hidrocarbonetos naturais.

A importância dada pelos Estados Costeiros à extensão até ao limite máximo possível das suas Plataformas Continentais legais, deve-se em grande parte à possibilidade de garantir soberania sobre estes recursos.
Embora se possam encontrar referências anteriores, o conceito de plataforma continental ganha dimensão em Setembro de 1945 quando o presidente norte-americano Harry S. Truman emitiu a proclamação 2667 intitulada “Política dos Estados Unidos Respeitante ao Recursos Naturais do Subsolo e Solo da Plataforma Continental”.

Unilateralmente e por força desta ordem executiva os EUA reservaram e colocaram sob controlo e jurisdição do Secretário do Interior Dean Acheson, os recursos naturais (principalmente importantes reservas de petróleo e gás natural) situados no solo e subsolo da planície terrestre submersa adjacente às costas americanas, correspondendo ao prolongamento natural desta, ou seja – situados na Plataforma Continental Geológica dos Estados Unidos da América.

Após esta declaração, a ideia de utilizar o conceito de plataforma continental para assegurar recursos naturais teve ampla aceitação por parte dos Estados Costeiros do mundo que, evocando diversos critérios, tentam estender a sua soberania sobre os fundos e subsolos marinhos, ao longo de uma potencial plataforma continental geográfica, que acaba por extravasar largamente o conceito em termos geológicos.

Face a esta verdadeira escalada de anexação de novos territórios urgia lançar por via do direito internacional marítimo, regras globais para validação das pretensões de cada Estado, neste domínio.

Desde a Declaração Truman até aos dias de hoje este assunto foi discutido profundamente na sua vertente legal e científica. A Convenção de Genebra sobre a Plataforma Continental de 1958 consagrou o conceito mas os seus limites apenas foram previstos com exactidão na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar aprovada em 1982 em Montego Bay - Jamaica. Actualmente e ao abrigo desta convenção, os estados costeiro atravessam processos de extensão das suas plataformas continentais para os limites máximos admissíveis.

As desigualdades políticas, económicas, tecnológicas, militares e geográficas que caracterizam a Comunidade Internacional determinam uma inevitável disparidade de interesses que não pode deixar de se estender aos espaços marítimos.
São esses mesmos interesses que em meados do século XX, levaram à criação da figura jurídica da Plataforma Continental.

Esta formação cujo o limite a força dos processos geológicos do planeta colocou a cerca de 200 milhas náuticas da maior parte das costas mundiais, a força do direito internacional permite agora aos Estados Costeiro colocar a 350.

PARA SABER MAIS:  [ 1 ]    [ 2 ]

 POR: LUÍS SOUSA







Artigos relacionados:

  • Portugal x 41= Índia
  • Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar
  • A delimitação territorial, uso e a apropriação dos seus recursos.
  • A propósito do «mar patrimonial» brasileiro
  • Governo brasileiro quer construir navios de pesquisa para explorar e mapear o mar territorial
  • «Reforço da prospecção do mar custará até 15 milhões por ano»
  • Projecto de Extensão da Plataforma Continental portuguesa
  • Vales e canhões submarinos
  • Cabo Verde pretende alargar área de jurisdição marítima
  • «A nossa nova fronteira é o mar profundo»
  • «A plataforma continental de Portugal transforma um país pequeno num país médio»
  • Dinamarca vai reivindicar o Pólo Norte
  • Portugal vai apoiar Angola no processo de delimitação das fronteiras marítimas