Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Notícias

APSS comemora Dia do Mar

A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA participou nas comemorações do Dia Mundial do Mar com a realização, no dia 27 de Setembro, de uma palestra intitulada “Pirataria- Orquestrando a Resposta”, organização que se inseriu no âmbito do ciclo de conferências e eventos sob este tema realizados em 2011, promovidos pela OMI – Organização Marítima Internacional.

O Presidente do Conselho de Administração da APSS, Carlos Gouveia Lopes, fez a introdução do tema e apresentou os palestrantes, Dr. José Carlos santos, director da CMA CGM Portugal e Comodoro Alberto Silvestre Correia, que comandou, de Abril a Agosto de 2011, a Força Naval da União Europeia - Operação Atalanta, com uma descrição dos respectivos percursos profissionais, dirigindo-se aos cerca de cinquenta participantes que marcaram presença na plateia.

O Dr. José Carlos Santos apresentou, sob o ponto de vista do operador marítimo, uma completa perspectiva da pirataria no Oceano Índico, desde tempos mais antigos até à actualidade, dando a conhecer uma realidade que hoje afecta muito negativamente o transporte marítimo global, quer ao nível económico, com os custos dos navios sequestrados, medidas de segurança a bordo e alterações de rotas, quer ao nível humano, com o número de marinheiros mantidos em cativeiro pelos piratas em condições muito precárias. Estima-se já em 12 mil milhões de dólares, por ano, o valor dispendido com o flagelo da pirataria.

Por sua vez, o Comodoro Alberto Silvestre Correia, completou a visão sobre a pirataria, ao descrever o papel da Força Naval da União Europeia, uma entre outras da Nato e de países que actuam independentemente. A operação ATALANTA, que visa proteger o abastecimento humanitário à população somali, também tem como missão proteger e reprimir as actividades de pirataria numa vasta área superior à do continente europeu.

Apesar do relevante sucesso na redução dos ataques, sofre de vários constrangimentos, que passam pelo insuficiente número de unidades navais, pela restrição do mandato ao plano marítimo, impedindo a ataque às bases piratas terrestres, pela dificuldade de penalizar legalmente os “piratas” e sobretudo, pelo elevado risco de perda de vida das pessoas sequestradas, que são comummente torturadas e violadas, tendo o orador considerado serem prisioneiros de indivíduos “sem qualquer respeito pela vida humana”.


 







Artigos relacionados:

  • Baptismos de mar no Porto de Setúbal