Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

GARANTIA DO SECRETÁRIO DE ESTADO DO MAR:

«Competências contidas no IPTM vão continuar a existir»

Para assinalar o Dia Mundial do Mar, que se celebrou ontem, o IPTM promoveu uma Jornada Temática subordinada ao tema "Pirataria Marítima: Articulando Respostas", sugerido pela OMI-IMO (Organização Marítima Internacional).

O discurso mais aguardado acabou por ser o de Manuel Pinto de Abreu, Secretário de Estado do Mar, que encerrou a Jornada. Sobre a pirataria marítima, Pinto de Abreu destacou o "esforço que Portugal está a fazer nas acções internacionais de combate à pirataria". Já em relação à extinção do IPTM, Pinto de Abreu garantiu: "As competências contidas no IPTM vão continuar a existir. As organizações podem ser extintas ou mudar de nome mas as competências têm que se manter, procurando melhorá-las para melhor servir Portugal".

Coube a João Carvalho, presidente do Conselho Diretivo do IPTM, a abertura da jornada, que procurou respostas para um problema cada vez mais ameaçador, onde alertou para os "ataques cada vez mais violentos e organizados, com os piratas com meios cada vez mais sofisticados e profissionais", destacando que a pirataria se transformou num "negócio apetecível e com grande retorno".

José Maciel, também ele em representação do IPTM, optou por destacar o "flagelo para o livre comércio e para a navegação marítima" que é esta crescente onda de ataques, "com impacto profundo no desenvolvimento do setor marítimo". "É preciso uma atuação global para o combate à pirataria. É um compromisso global, nacional, institucional e pessoal", acrescentou.

Em representação da Marinha esteve o Comodoro Alberto Silvestre Correia, que relatou um pouco da sua experiência na Operação ATALANTA (EU-NAVFOR), na crítica zona do Índico. "É uma zona muito extensa sendo impossível controlar toda a atividade nesse espaço", referiu o Comodoro, manifestando agrado com a redução de ataques durante e após a missão onde esteve integrado.

FONTE: CARGO







Artigos relacionados:

  • Dia Mundial do Mar em Sines
  • Visitas à Torre VTS repetem-se hoje, para a população em geral