Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Forte de S. Julião da Barra

No enfiamento da costa que contorna o estuário do Tejo, sobranceiro ao local onde o rio se reencontra com o mar, ergue-se em Oeiras o poderoso Forte de S. Julião da Barra, uma das mais importantes e perfeitas praças militares quinhentistas da artilharia pirobalística portuguesa.

Atribuído ao arquiteto italiano Leonardo Torriano, a sua edificação iniciou-se em 1556, no reinado de D. João III, prosseguindo no tempo de D. Sebastião, que o marcou com as suas armas, e do Cardeal D. Henrique. O forte mereceu plena atenção da dinastia filipina, concluindo-se a empreitada apenas no século XVII, no reinado de D. João IV, altura em que se construíram o sólido revelim e se ampliou o seu perímetro defensivo.

S. Julião da Barra integrava o sistema defensivo da foz do Tejo, conjuntamente com o fronteiro Forte de S. Lourenço, implantado no pequeno ilhéu do Bugio. Um profundo e largo fosso isola o forte da zona envolvente, estando somente ligado por uma ponte de alvenaria. Angulosas, robustas e altas muralhas conferem-lhe fortaleza. Poderosos baluartes, largas e amplas rampas, caminhos de ronda e grandes esplanadas de baterias, dispostas a vários níveis, estabelecem uma complexa planta poligonal. A massa geométrica e recortada dos baluartes de El-Rei D. Fernando e de Sto. António sobressaem pela sua imponência e espetacularidade.

No reinado de D. José I acrescentou-se a altaneira torre do farol, ladeada pelos antigos alojamentos da guarnição do forte. No subsolo da construção destaca-se a magnífica cisterna, construída com abóbadas de aresta que assentam sobre grossos pilares.

As antigas casamatas serviram, em determinadas épocas, como celas prisionais. Por ordem expressa do marquês de Pombal em 1759, nelas estiveram encerrados 124 jesuítas. Partidários de D. Miguel e de D. Pedro usaram-na, alternadamente, como prisão dos seus adversários. As últimas missões militares de S. Julião da Barra aconteceram entre 1831 e 1833, na luta fratricida entre absolutistas e liberais. A partir desta data, a fortaleza silenciaria todas as suas peças de artilharia.

FONTE: INFOPÉDIA