Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Santos Pereira defende que bitola europeia deve ir para além de Madrid

Álvaro Santos Pereira, Ministro da Economia e do Emprego, confirmou que os planos do Governo para a alta velocidade deverão ser conhecidos no âmbito do plano estratégico de transportes, que está a ser finalizado pelo Governo e deverá ser apresentado no final de Setembro.

As declarações de Santos Pereira surgiram durante um almoço promovido pela Associação Comercial de Lisboa, onde o ministro salientou ainda que o mais importante para o Governo é que a ligação em bitola europeia para mercadorias seja feita rapidamente até Irun, na fronteira espanhola com a França.

Santos Pereira enalteceu o facto das duas bitolas diferentes entre a Península Ibérica e o resto da Europa obrigar ao transbordo de mercadorias na fronteira entre Espanha e França, levando a demoras acrescidas e aumento de custos para as exportações portuguesas.

“Neste momento até Bruxelas entende que o mais importante não é ter um serviço ferroviário de alta velocidade mas sim um serviço de alta prestação”, insistiu. Questionado por um empresário espanhol sobre o futuro da alta velocidade em Portugal, o ministro sublinhou que a prioridade vai para “vias rápidas [ferroviárias] que estejam operacionais em quatro ou cinco anos”. “Não nos interessam infra-estruturas que se fiquem por Madrid”, acrescentou, lembrando que a ligação para mercadorias deverá sair de Sines e talvez Setúbal mas que rapidamente é necessário ligar também o Norte do país à Europa.

FONTE: CARGO