Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

São Tomé e Príncipe reactiva guarda costeira

O governo de São Tomé e Príncipe vai fortalecer a sua guarda costeira na ilha do Príncipe. A decisão faz parte de um plano para reestruturar o aparelho de segurança na ilha, noticiou a rádio norte-americana VoA (Voz da América).

São Tome e Príncipe está situado no Golfo da Guiné, uma zona que assume cada vez mais importância estratégica devido à sua produção petrolífera.

É também uma zona onde tem vindo a aumentar a instabilidade devido a crescentes actos de pirataria e falta de fiscalização das águas territoriais.

“O serviço da guarda costeira tem como finalidade fiscalizar a nossa costa,” disse o ministro da Defesa que acrescentou que elementos da Guarda Costeira já tinham sido enviados para a ilha do Príncipe.

A reorganização da segurança na ilha envolve também outros sectores e o ministro disse que a reorganização do exército nessa ilha envolve o apetrechamento do exército e da polícia de “meios rolantes”.

O ministro disse ainda que falta apetrechar os serviços de segurança com meios que possam permitir o seu funcionamento “ com dignidade”.

FONTE: ÁFRICA 21 DIGITAL