Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Marrocos e Açores podem ser novas rotas desde Portimão

“Há empresários portugueses que estão interessados em constituírem-se como armadores de cruzeiros e iniciarem, a partir do Porto de Portimão, rotas para o sul da Europa, norte de África e ilhas atlânticas”, revelou, em entrevista ao Barlavento, Graco Trindade, chefe do Departamento de Pilotagem da Autoridade Portuária.

Os interessados são investidores portugueses que, após terem visitado o porto e verificado as suas condições, manifestaram motivação para criar rotas no verão, servidas por um navio para 500 passageiros. No inverno, a ideia seria procurarem outros destinos, onde a atividade fosse exequível, diversificando a oferta.

O objectivo seria aproveitar as condições para tornar o espaço em Portimão num porto turn-around, ou seja, de começo e término das rotas. Por sua vez, seriam integrados nos itinerários portos como os de Lisboa, Leixões, Açores, Funchal, outros da Península Ibérica, Canárias e norte de África.

“Esta possibilidade, que seria benéfica para a economia local, dá-nos a perspectiva de alargar uma experiência que já tivemos no passado, pois agora temos sido somente um porto de passagem”, sublinhou Graco Trindade. Por outro lado, “saber que um empresário português quer investir neste porto deixa-nos satisfeitos e tudo faremos para o sucesso dessa operação”.
É que a indústria dos cruzeiros, que mostra uma tendência de crescimento, é apoiada em armadores norte americanos, ainda que a construção naval seja europeia. Por isso, na visão de Graco Trindade, Portugal teria todas as vantagens em ter uma frota própria, começando a construir navios, apetrechados por empresas portuguesas.

MAIS DETALHES AQUI