Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

DO CABO MONDEGO A S. PEDRO DE MOEL

Canadianos investem 49 milhões para descobrir petróleo

A companhia Mohave Oil & Gas vai investir 49 milhões de euros até 2013 para encontrar hidrocarbonetos em Portugal.

O director-geral da empresa, Arlindo Alves, diz que este investimento integra intervenções a realizar nas actuais cinco concessões de prospecção, três 'onshore' (em terra, em Aljubarrota, Rio Maior e Torres Vedras e duas 'offshore' (no mar), São Pedro de Moel e Cabo Mondego.

Ao 26º dia de prospecção no mar que decorre entre São Pedro de Moel (Marinha Grande) e Cabo Mondego (Figueira da Foz), o responsável sublinha que "as operações estão a correr muito bem" e "é difícil" que os dados recolhidos não confirmem a existência de petróleo na costa portuguesa.

A Mohave Oil & Gas, de capitais canadianos, opera em Portugal há 18 anos, tendo investido 42 milhões de euros, 16 milhões dos quais nos últimos dois anos.

A operação que está a decorrer no mar até meados de Setembro envolve uma embarcação que reboca dez cabos submergidos com seis quilómetros de comprimento e cem metros de distância entre cada um deles (um quilómetro de largura total).

Os cabos integram sensores responsáveis pela leitura do choque de ondas sonoras com a superfície do oceano, previamente "enviadas" com recurso a canhões de ar, tecnologia conhecida como prospecção sísmica a três dimensões (3D).

Os dados recolhidos permitem perceber quais as formações rochosas no subsolo do leito marítimo e são depois interpretados por geólogos e geofísicos "que dizem onde [futuramente] perfurar", explicou. "A hipótese de acertar é de 10 por cento", estimou.

Para a sondagem obter resultados o navio tem de navegar a uma velocidade constante - não pode parar - e há que contar com impedimentos vários que decorrem do vento ou problemas com ruídos exteriores, como, por exemplo, motores de outras embarcações nas proximidades.

A pesca está restrita na costa portuguesa, numa zona entre Mira e São Martinho do Porto, devido a sondagens sísmicas com recurso a uma embarcação especializada que a empresa petrolífera Mohave Oil & Gas está a realizar.

De acordo com o comandante do Porto da Figueira da Foz, Rui Amado, actualmente, a zona restrita vai desde Mira a São Martinho do Porto, uma das três áreas envolvidas na operação.

FONTE: DIÁRIO ECONÓMICO

Para saber mais







Artigos relacionados:

  • Em 1935 o petróleo já era «o sangue do mundo»