Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

«VERA CRUZ», «INFANTE D. HENRIQUE», «SANTA MARIA», ENTRE OUTROS

Companhia Colonial de Navegação fundada a 3 de Julho de 1922

A Companhia Colonial de Navegação (CCN) foi uma das novas Companhias de Navegação do período após I Guerra Mundial. Foi constituída em Angola a 3 de Julho de 1922. Iniciou desde logo a sua actividade de transportadora com a aquisição do paquete "Guiné" e do cargueiro "Ganda", destinados às carreiras de Angola, Cabo Verde e Guiné.

Durante a II Guerra Mundial, para fazer face à carência de transportes marítimos, a CCN adquire o paquete Jugoslavo "Pincesa Olga" rebaptizando-o "Serpa Pinto". Em 1944 o "Serpa Pinto" viria a ser interceptado por um submarino alemão, tendo estado eminente o seu torpedeamento.

Durante os anos sessenta a CCN, tal como todas as companhias de navegação portuguesas, assegurou preferencialmente os transportes marítimos entre Portugal e as suas colónias ultramarinas. Na década de setenta, com o aumento do número de passageiros a utilizarem o avião, os paquetes perdem importância como navios de carreira. A CCN passa então a utilizar alguns dos seus paquetes para cruzeiros e viagens turísticas. Em 1974 a CCN funde-se com a Empresa Insulana de Navegação (EIN), dando origem à Companhia Portuguesa de Transportes Marítimos.

De 1922 a 1974 a CCN possuiu um total de 14 navios com deslocamentos entre as 2 648 toneladas de arqueação bruta do "Guiné" (II) (1935) e as 23 306 toneladas do paquete "Infante D. Henrique" e lotações entre os 60 passageiros do vapor "Guiné" (I) (1922) e os 1 242 passageiros do paquete "Vera Cruz" (1952).

MAIS DETALHES AQUI e AQUI







Artigos relacionados: