Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MOLICEIROS

Painéis picantes e outros nem tanto

Uma das características dos moliceiros é a sua riqueza em termos decorativos. Nas extremidades do costado, à proa e à popa, situam-se os painéis decorativos, característica mais original deste barco, motivo principal da sua conservação e tema de estudos etnográficos.

Estas admiráveis iluminuras, pinturas naif (com figuras contornadas a negro), são uma verdadeira arte de sabor popular, e formam uma mensagem ilustrada e escrita, tornada indivisível.

A temática destas imagens-legenda, adquire uma loquacidade satírica, romântica, profissional, histórica ou religiosa.

Ao serviço das quatro mensagens que figuram em cada moliceiro, está a sua forma e conteúdo, pois nenhum desenho se repete quer por bombordo, quer por estibordo, diferindo entre si no traço, no colorido e na própria legenda que as sublinha. As cores habitualmente utilizadas na composição destes painéis são as primárias e não há mistura de cor, as gamas intermédias só aparecem num ou noutro pormenor.

Os símbolos são quase sempre alusivos ao mar, ria e terra.

MAIS DETALHES AQUI

LEIATAMBÉM "O BARCO MOLICEIRO: TEXTO ICÓNICO E INSCRIÇÃO POPULAR", artigo de Carla Sarmento (formato pdf, 14 páginas)