Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Deitadas fora 70 milhões de toneladas de peixe na última década

A primeira década deste século foi “devastadora” para os mares, denuncia uma organização internacional. Nesses dez anos, 70 milhões de toneladas de peixe foram deitadas fora e apenas um por cento das espécies marinhas em extinção tem planos de conservação.

Se não forem tomadas acções decisivas a curto prazo, “os danos serão irreversíveis”, alerta a Oceana, organização internacional para a conservação da vida marinha, em comunicado.

“Não há no mundo uma única população de peixe gerida de forma responsável”, lamenta Ricardo Aguillar, director de investigação da Oceana para a Europa. A situação é especialmente grave para os tubarões mediterrânicos, cujas populações têm “sido reduzidas até 99 por cento em relação às populações do século XX”.

A organização lamenta o pouco que se tem feito para proteger os oceanos, afectados “pela contaminação e alterações climáticas”, mas também pela sobre-exploração pesqueira.

Para alterar o cenário, a organização defende a redução do consumo de determinadas espécies, como o atum rabilho ou a pescada mediterrânica, e a criação de áreas marinhas protegidas. Em Portugal, um quarto da costa do Continente já é área marinha protegida, depois da regulamentação do Parque Marinho do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, disse hoje o secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa, à agência Lusa. “Portugal está hoje no mapa como um dos países que tem áreas marinhas protegidas em alto mar, inclusive na sua zona de expansão da plataforma continental, de grande expressão”.
 


 

FONTE: PÚBLICO