Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

DIA MUNDIAL DAS TELECOMUNICAÇÕES

D. Pedro II trouxe os cabos submarinos para o Brasil

Foi Dom Pedro II, em 1873, quem deu a concessão para que a empresa inglesa se instalasse no Brasil. A Western pertencia ao grupo Cable and Wireless, com sede em Londres. A autorização foi para um prazo de cem anos.

O lançamento do primeiro cabo submarino no Brasil envolveu negociações entre o imperador Dom Pedro II, os reis de Portugal e da Itália, o presidente do Haiti e o Barão de Mauá.

No Natal de 1873, chegava ao Rio o cabo de telégrafo submarino. O navio Hopper precisou ser rebocado até a Praia de Copacabana, onde se encontrava o imperador com sua comitiva.

No mesmo dia, os primeiros sinais foram transmitidos para a Bahia. Seis meses depois, o Brasil fazia a primeira ligação para a Europa. Tratava-se de uma mensagem do imperador para a rainha Vitória e ao rei Dom Luís, de Portugal.
CONTINUE A LER ESTA NOTÍCIA AQUI
 


A ampliação dos laços comerciais entre Brasil e Alemanha na área das comunicações era notícia de destaque na edição de 31 de março de 1911 do "Estado de S. Paulo".
Na primeira página, uma nota contava sobre os telegramas trocados pelo presidente Hermes ao Imperador da Alemanha, Guilherme II. As mensagens tratavam do recém inaugurado cabo-submarino , e celebravam o estreitamento dos laços entre as duas Nações.

Outras notas, desta mesma edição, mostram como a Alemanha oferecia uma interessante parceria comercial para o governo brasileiro, que queria ampliar sua rede de telégrafos e manter o monopólio sobre a área.
Até hoje a busca do consumidor pelo menor custo faz as operadoras de serviços de comunicação disputarem clientes. Também, em 1911, a concorrência era acirrada neste mercado. Após a inauguração do cabo-submarino da Deutsch Sudamerikanische Telegraphen Gesellshaft as demais companhias telegráficas anunciavam que acompanhariam a redução da taxa estabelecida pela companhia alemã, para não perder mercado no Brasil.


 

PARA SABER MAIS







Artigos relacionados:

  • A história dos cabos submarinos em Portugal
  • Horta dos cabos submarinos - Já ouviu falar?
  • O Edifício do Cabo Submarino | Mossâmedes -Angola