Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

VEJA O VÍDEO

Chegou a Portugal o submarino Arpão

O submarino Arpão, o segundo novo equipamento militar do género para a Marinha portuguesa, passou este sábado ao largo de Cacilhas, Almada, antes das 10:00, em direcção à Base Naval de Lisboa, no Alfeite.

Perto do cais fluvial da Transtejo em Cacilhas, o burburinho era o normal de uma manhã de sábado. Faltavam pouco mais de quinze minutos para 10:00 quando o Arpão, pela primeira vez a entrar no Tejo, passou por ali.

Em redor, a maioria dos transeuntes estava-lhe indiferente. Alguns olhares curiosos de quem esperava pelo barco para atravessar o rio, mas nenhum fã.

Manuel José, 42 anos, disse à Lusa não fazer "a mínima ideia" de que o submarino entraria no Tejo este sábado: "Para mim é mais um dia de trabalho. Pouco me importa", afirmou.

Perto da zona de embarque de automóveis, dois homens com mais de 70 anos, chapéu de chuva na mão e jornal debaixo do braço, param para ver.

O homem à esquerda, virado para o rio, diz que "veio a Cacilhas porque calhou, não sabia do submarino". E não diz mais, "que não tem que dar contas da sua vida a ninguém". O outro, José Alberto, ouviu a notícia na rádio e, "como vinha comprar o jornal", aproveitou "para espreitar".

"Vão ali mais uns milhões mal gastos. Uns milhões gastos para atacar as formigas", comenta ao homem que está a seu lado e que responde: "Ora, o dinheiro tem de ser gasto em algum lado".

O submarino segue caminho, os dois homens também.

Por ser a primeira vez que entra no Tejo, o Arpão embarcou o vice-almirante comandante naval e foi recebido na Base Naval de Lisboa, no Alfeite, de acordo com a tradição naval.

De acordo com a Marinha, não foi prevista nenhuma cerimónia para assinalar publicamente a receção do novo equipamento.

O segundo submarino comprado por Portugal foi recebido provisoriamente em dezembro na Alemanha.

O Tridente, primeiro submarino encomendado por Portugal à empresa alemã Ferrostaal, chegou a Portugal em agosto do ano passado.

A aquisição dos dois submarinos custou a Portugal cerca de mil milhões de euros.

O Arpão atinge uma velocidade máxima de 20 nós e garante uma autonomia máxima de 45 dias, possuindo "capacidade para lançar mísseis, de defesa aérea e luta de superfície, e capacidade para lançar torpedos, de luta de superfície e subsuperfície", refere a Marinha.

O NRP Arpão é comandado pelo capitão-tenente Nuno Baptista Pereira.

VÍDEO: JORNAL DA TARDE, RTP, 30.04.2011
TEXTO: SIC (com LUSA)