Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

PAQUETE «INFANTE D. HENRIQUE»

Lançado à água em 1960, era uma das jóias da coroa da CCN

A 29 de Abril de 1960, por encomenda da Companhia Colonial de Navegação (CCN) e tendo por madrinha a esposa do seu presidente do conselho de administração (D. Maria Teresa Soares da Fonseca), era lançado à água, na Bélgica, o paquete Infante D. Henrique.

Foi o sonho do armador Bernardino Corrêa, o pai da Companhia Colonial de Navegação, que nunca o chegou a ver. Construído na Bélgica nos estaleiros da Jonh Cockeril, em Hobboken, a 21 de Setembro de 1961 entrou na barra de Lisboa embandeirado em arco, iniciando assim um serviço promissor para a Marinha Portuguesa. Com a sua aquisição fechou-se o ciclo de renovação da frota, iniciada ao abrigo do chamado despacho 100, elaborado pelo então Ministro da Marinha, Américo Thomaz.

Era um navio de linhas elegantes e concepção avançada, com 195,50 m de comprimento, 24,5 de boca e 24.000 toneladas de deslocamento. Aquando do lançamento do casco de côr cinzento esverdeado, a côr tradicional da CCN, foi utilizada uma garrafa de vinho do Porto, cuja marca ninguém sabe. Talvez um «Porto Ferreira», em vez da tradicional garrafa de champanhe. A madrinha foi a esposa do administrador da companhia, que na altura, rezam os manuscritos, era José Soares da Fonseca .

Na época foi bastante criticado por ser bom demais e era o maior navio de passageiros da carreira de África.
Em qualquer porto era motivo de atracção e registo. A sua imponência e o perfil majestoso despertavam o interesse de todos os curiosos. Era um excelente embaixador português á semelhança do navio-escola Sagres.

CONTINUE A LER ESTA NOTÍCIA DO BLOG "O SAUDOSISTA"
 

 







Artigos relacionados:

  • Os últimos dias
  • «Infante D. Henrique» versus «Príncipe Perfeito»
  • Família Oliveira a bordo do Paquete «Infante D. Henrique» [VÍDEO]
  • Álbum de recordações
  • Paquete «Vera Cruz»
  • Viagem inaugural a 20 de Março de 1952
  • Um dos grandes transatlânticos da Rota de Ouro e Prata!
  • Construção contabilizou 86 mil horas de trabalho
  • «Vera Cruz» levou emigrantes para o Brasil e tropas para África
  • Relato da chegada do «Vera Cruz» a Santos
  • Cruzeiros à Madeira no fim do ano
  • Desvio do «Santa Maria» a 22 de Janeiro de 1961
  • O Inimigo n.º 1 de Salazar
  • «Pirata» Henrique Galvão confessou-se a jornalista
  • «O Inimigo n.º 1 de Salazar» na TSF
  • Infografia sobre o assalto ao «Santa Maria»
  • «Assalto ao Santa Maria» no cinema