Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

O vapor no rio Douro entre o Porto e a Foz

Para substituir o uso de burro ou dos carroções é criado em Agosto de 1855, no Porto, um serviço de transporte de veraneantes entre a Ribeira e a Foz, utilizando o navio Duriense com uma lotação de 80 lugares.

«Durante algum tempo, uma companhia lembrou-se de organizar um serviço de navegação fluvial entre o Porto e a Foz. Havia um vaporzinho que fazia carreira entre a cidade e a Can­tareira, mas a empresa não deu bom resultado, tal era o apego ao burro, no Porto daquele tempo, como meio de transporte
Alberto Pimentel, em O Porto Há Trinta Anos

O percurso demorava cerca de 45 minutos, e havia 4 viagens de ida e volta.
Nestas carreiras entre o Porto e a Foz eram utilizados em 1881 os barcos Andorinha e Liberal.

Faustino Xavier de Novais no seu livro Poesias (2ª edição Porto 1856) num poema datado de 8 de Outubro 1852 e intitulado “Um passeio à Foz”, escreve:

“…Immensa multidão lá se descobre
No logar onde esperam passageiros,
Que o vapor os vá pôr na Porta Nobre,
Ri-se a gente do tom, dos cavalleiros
Que, sem que áureo metal assaz lhe sobre,
Fidalgos querem ser, e não caixeiros;
Em quanto que o patrão, lá na cidade,
Ficou de mãos erguidas na Trindade.

O Duriense (*) partiu; marchei, por terra,
Porque sou mui cobarde nos revezes,
E escuto como alguma gente berra,
Quando o lindo vapor, não poucas vezes,
Com pedras, água e vento, em crua guerra,
Se dispõe a mangar dos portuguezes:
O passeio findei, bom de saúde,
Se mal o "descrevi, fiz o que pude
.

(*) Pequeno barco, movido a vapor, que morreu de paixão por não poder andar tanto como um carroção puxado a bois.”

Por ocasião da romaria de Nossa Senhora da Luz, que se continuou a realizar mesmo após a desactivação da capela de Nossa Senhora da Luz em 1832, um anúncio no jornal “O Comércio do Porto” de Setembro de 1888 refere as carreiras de “vaporzinhos” entre a Ribeira e a Foz.

“É no próximo domingo que se realiza na Foz a romaria da Senhora da Luz, que costuma ser muito concorrida. Os vaporzinhos «Leão» e «Ligeiro», desde as 5 horas da manhã, farão corri­das entre os Banhos e a Cantareira.”

IMAGEM DE TOPO DO ARTIGO: LITROGRAFIA DE LEBRETON


Investigação da autoria do Prof. Ricardo Araújo Figueiredo, integrando a série "Os transportes marítimos e fluviais".

Dado à estampa, originalmente, no blog "DO PORTO E NÃO SÓ", cuja visita recomendamos vivamente.







Artigos relacionados:

  • O Savannah é o primeiro navio a vapor a atravessar o Atlântico
  • Do navio à vela ao navio a vapor