Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Oceana aplaude os avanços que estão a acontecer na energia eólica marinha em Portugal e Espanha

Durante 2010 foram instalados, na Europa, novos aerogeradores marinhos, pelo que a potência instalada ascendia, no fim do ano, a 2.946 MW. Esta quantidade de MW encontra-se distribuída por 9 países do norte do continente, com uma clara liderança do Reino Unido. No entanto, ainda não existe nenhum parque eólico offshore no Mediterrâneo, em parte pelo menor recurso eólico disponível, em parte pelas grandes profundidades perto da costa e em parte pela pouca iniciativa e impulso dos diferentes governos.

Neste sentido, a Oceana considera fundamental que os governos entendam o enorme potencial energético que nos oferecem, a longo prazo, os mares e os oceanos e que se encaminhem para um aproveitamento sustentável com o meio.

A enorme dependência das economias das importações de petróleo e gás, a alta volatilidade dos preços deste tipo de energia e a crescente concentração das suas reservas e das suas produções em regiões politicamente instáveis aumentam, de forma alarmante, a incerteza dos mercados.

A única via para travar esta tendência é a diversificação no fornecimento de fontes de energia primária e uma maior participação de energias limpas e renováveis.

FONTE: CIÊNCIA.PT